Difference: OSAMBIENTESVIRTUAISDEAPRENDIZAGEMEOCAMINHARDAUFBA:EMBUSCADEUMAPERSPECTIVAINTERATIVAEAUTÔNOMA ( vs. 1)

Revision 106 Jun 2007 - NiciaRiccio

Line: 1 to 1
Added:
>
>
META TOPICPARENT name="WebFormacao"

OS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NO CAMINHAR DA UFBA: EM BUSCA DE UMA PERSPECTIVA INTERATIVA E AUTÔNOMA (edit)

Doutoranda: Nicia Cristina Rocha Riccio

Orientador: Nelson De Luca Pretto

Ingresso: 2006

HISTÓRICO PESSOAL

  • Formação na área de ciência da computação, interesse em educação
  • 2003.2 � aluna especial na pós da Faced
  • 2004 � PROGED/ISP � Programa de formação contiuada de gestores da educação básica (EAD)
  • 2005 � projeto doutorado em EAD
  • 2006 � membro da CEAD da UFBA

OBJETO DE PESQUISA

Desenho instrucional para a educação online na UFBA

Alguns conceitos:

EAD � Educação a distância - é uma modalidade de educação onde o conceito de �sala de aula� é ampliado, com relação a uma não convergência de espaço/tempo dentro do grupo (professores e aprendentes)

EAD online � EAD que faz uso dos recursos da internet.

EOL - Educação online � a educação que faz uso dos recursos da internet; atividades online para as modalidades de ensino presencial, semi-presencial ou a distância.

DI - Desenho instrucional � estratégia de planejamento e implantação de atividades de ensino

Modelo de DI - teoria � orientada a projeto � que oferece orientação explícita para auxiliar no processo de ensino / aprendizagem, descrevendo métodos que abordam o planejamento, o desenvolvimento e a aplicação de situações didáticas online

JUSTIFICATIVA

Relevância teórica

O projeto pretende contribuir para a pesquisa na área de desenho instrucional, uma área emergente, abordando aspectos fundamentais para a nova perspectiva educacional exigida pela sociedade contemporânea, caracterizada pelo uso crescente das TICs, e, mais especificamente, lidando com aspectos metodológicos relativos a atividades de EAD online.

Relevância prática

Contextualização:

  • A UFBA está num estágio embrionário no que se refere à EAD
  • As diversas iniciativas isoladas
  • A necessária e inevitável participação da UFBA no contexto da EAD no Brasil
  • A necessária e inevitável utilização da EOL na UFBA
  • As atuais iniciativas da administração central (Plano institucional de EAD e a CEAD)

A elaboração de um modelo de DI que atenda às especificidades da UFBA virá contribuir para a institucionalização das atividades online na instituição e para a criação do hábito da educação online entre os participantes de sua comunidade.

PROBLEMA

O problema da pesquisa reside no levantamento e análise das especificidades da UFBA no que diz respeito às atividades de EAD online que podem ser propostas e implementadas pela instituição a fim de se conceber um modelo de desenho instrucional que contemple estas especificidades e que seja flexível e adaptável o bastante para possibilitar sua utilização em atividades de EAD online diversas, sem que se tenha que, necessariamente, seguir um padrão rígido de desenho instrucional.

Questões norteadoras

  • Porque a UFBA, pioneira em tantos aspectos, inclusive no que diz respeito ao uso de tecnologias de comunicação e informação, encontra-se num estágio tão embrionário com relação à EAD? Que características a UFBA apresenta que contribuem para esta situação? Quais as especificidades da UFBA, no que diz respeito a suas necessidades, que precisam ser levadas em consideração e que podem ser incorporadas em um modelo de DI para que seja implantado um plano institucional para a EAD e para que a UFBA possa sair rapidamente desse estágio embrionário?
  • Que conceituação de EAD mais se aplica ao contexto UFBA?
  • Que teorias de aprendizagem mais se adequam ao ensino online? E que abordagens pedagógicas a UFBA deseja adotar para as atividades de EAD? Quais pressupostos teóricos deverão ser incorporados ao modelo de DI?
  • Que estrutura operacional a UFBA necessita / deseja para a implantação de atividades de EAD? Uma equipe de EAD para inserir conteúdo elaborado pelos especialistas num formato padrão predefinido? Docentes capacitados para elaborar e decidir sobre o conteúdo online, apoiados por uma equipe de EAD?
  • Como viabilizar o recurso necessário para a implantação de um plano de EAD? Mesmo após a construção do modelo, para a incorporação do mesmo à prática de ensino da UFBA será necessário uma equipe de EAD, multidisciplinar, para apoio a estas atividades. Como será a composição desta equipe? Que papéis desempenhará? Que recursos financeiros apoiarão as atividades desta equipe?
  • Qual a intra-estrutura tecnológica que apoiará a implantação de atividades de EAD online na UFBA? E que suporte técnico é necessário?
  • Que dimensões precisam ser contextualizadas dentro de um modelo de desenho instrucional?
  • Que tipo de modelo de desenho instrucional desenvolver, considerando alunos e disciplinas de graduação? E para pós-graduação? O mesmo modelo atenderia indistintamente a todos? E para cursos de extensão?
  • É desejável um modelo de desenho instrucional único para qualquer disciplina, a exemplo do proposto no IESB (ALMEIDA, GARBULHA, ATTA, 2005)?
  • Um modelo único atenderia a qualquer perfil docente? Um padrão inicial básico, já pronto para ser utilizado pelo docente pouco capacitado em EAD, mas que possa (o padrão) ser ampliado, flexibilizado, alterado pelo docente mais capacitado ou disposto a isso, seria mais adequado? Qual o custo benefício desta flexibilização?
  • Como estabelecer processos de interação otimizados entre a equipe de EAD, conteudistas, tutores?
  • Que treinamentos são necessários para a equipe docente? E para a equipe discente?
  • Que ambiente (ou ambientes) de aprendizagem utilizar e como estruturar as atividades dentro de cada um deles?
  • É importante utilizar um padrão de design (aqui, a palavra design usada no sentido comum de layout, aparência) para as atividades?
  • Quais recursos de multimídia utilizar para o desenvolvimento de material de aprendizagem intuitivo e investigador?
  • Como lidar com padrões de construção de material didático (a exemplo do scorm) e/ou com a utilização de objetos de aprendizagem?
  • Que concepção de tutoria / orientação mais se aplica ao contexto UFBA?
  • Como modelar a interação entre participantes (aprendentes e professores / orientadores / tutores)? Como motivar os participantes?
  • Como modelar atividades de EAD que favoreçam a autonomia do aprendente na construção de conhecimento de forma individual e coletiva?
  • Como se processará a avaliação da situação didática?

OBJETIVOS

Geral

Desenvolver um modelo de desenho instrucional para a UFBA, que contemple aspectos de planejamento, desenvolvimento e implantação de atividades de EAD online no âmbito da instituição, e que seja contextualizável a cada situação didática que venha a utilizá-lo.

Específicos

  • Desenvolver competências na área de DI para a EOL;

  • Repensar metodologicamente a EAD online na UFBA, buscando identificar que teorias de aprendizagem e que pressupostos teóricos é possível/se deseja seguir;

  • Analisar as especificidades da UFBA, no que diz respeito a suas necessidades para a EAD online;

  • Possibilitar um ganho operacional no oferecimento de atividades online na UFBA a partir do modelo de DI proposto;

  • Contribuir para o estabelecimento e concretização do plano institucional de EAD da UFBA.

REFERENCIAL TEÓRICO

Teoria de desenho instrucional

  • Snelbecker � teorias instrucionais formalmente organizadas somente começaram a surgir em meados no século XX
  • Reigeluth � teoria orientada a projeto que oferece uma orientação explícita para ajudar as pessoas a aprenderem e a se desenvolverem
  • Andréa Filatro (2004) � design instrucional contextualizado
  • Jonassen (1998), Nikolova e Collis (1998), Peters (2001) e Tessmer e Richey (1997) � abordam a questão da contextualização no DI
  • Bonilla � trata a questão da contextualização da situação de ensino, na perspectiva escolar
  • Ramal (2001) � o papel do instructional designer

EAD, EOL

  • Rodrigues e Barcia (2004) � a importância do planejamento na EAD
  • CAMPOS, COUTINHO, ROQUE, 2005 - aprendizagem cooperativa e na redefinição dos papéis de alunos e professores na educação online; objetos de aprendizagem na EOL
  • LITWIN, 2001 � conceituação de EAD
  • Almeida, Garbulha e Atta (2005) � padronização; recursos multimídia
  • Bastos (2005); Wiley (2000) � tratam de objetos de aprendizagem
  • Palloff e Pratt (2002) � metodologias para a EOL
  • Pierre Levy, Belloni, José Mauel Moran, Marcos Silva, André Lemos, Edméa Santos, Nelson Pretto, Teresinha Fróes, etc.

LMS, AVAs e outras tecnologias para EOL

  • Moodle, Teleduc, PII, Aulanet, e-proinfo, blackboard, webct, etc.

Teorias/abordagens pedagógicas para a EAD

  • Sócio-construcionismo, interacionista, andragogia, humanista, pedagogia da autonomia, etc.

Concepção de modelo

Modelos de EAD online já existentes

  • Andréa Filatro, Andréa Cecilia Ramal
  • Instituições com experiência em EAD

Políticas públicas para a EAD no Brasil e políticas para a EAD na UFBA

METODOLOGIA / CRONOGRAMA

Primeiro ano

  • estudo e sistematização sobre teoria e modelos de DI, EAD, EOL, cibercultura (pesquisa bibliográfica e eletrônica)
  • identificação e análise das iniciativas de EAD e EOL na UFBA (pesquisa documental, entrevistas)
  • concepção de um modelo de DI inicial

Segundo ano

  • contextualização do DI para cursos piloto selecionados
  • aplicação do curso e adaptação do modelo de DI (pesquisa participante)
  • avaliação e modificação do modelo de DI

Terceiro ano

  • qualificação
  • contextualização do DI para cursos piloto selecionados
  • aplicação dos cursos e adaptação do modelo de DI (pesquisa participante)
  • avaliação e modificação do modelo de DI

Quarto ano

  • consolidação do modelo de DI
  • defesa da tese

-- NiciaRiccio - 06 Jun 2007

 
This site is powered by the TWiki collaboration platformCopyright &© by the contributing authors. All material on this collaboration platform is the property of the contributing authors.
Ideas, requests, problems regarding TWiki? Send feedback