Difference: DiárioDeCicloVI (1 vs. 5)

Revision 516 Jan 2007 - CecilioSantos

Line: 1 to 1
 
META TOPICPARENT name="AntônioCecílio"

Diário De Ciclo VI

Line: 16 to 16
 

Changed:
<
<

"ABRINDO OUTROS CAMINHOS PARA NOVAS REALIZAÇÕES E APRENDENDO COM O TEMPO"

>
>

RELATÓRIO REFLEXIVO DOS DIÁRIOS DE CICLOS: "ABRINDO OUTROS CAMINHOS PARA NOVAS REALIZAÇÕES E APRENDENDO COM O TEMPO"ORIENTAÇÃO

 
Deleted:
<
<
O presente trabalho descreve e analisa uma experiência prática/pedagógica no contexto do ensino de graduação em Pedagogia - Séries Iniciais da Universidade Federal da Bahia. A questão central nesta experiência foi buscar uma reflexão sobre quais as possíveis formas de aumentar a motivação do meu trabalho em sala de aula.
 
Deleted:
<
<
No Programa de Formação Continuada de Professores para o Município de Irecê, pretendi me constituir em uma experiência de prática pedagógica que, exercida em uma dinâmica que foi fundamentada pelo respeito aos processos cotidianos e a valorização plena do sujeito. O projeto/Irecê tem dado uma importante contribuição no sentido de conquistar e firmar a autonomia dos cursistas, criando um clima onde professores e equipe se sintam responsáveis por aquilo que lá acontece, inclusive em relação ao desenvolvimento dos alunos. De certa forma, é o projeto que vai articular, dentro do ambiente de trabalho, a situação conflituosa da descentralização, e através disto permitir argumentos de forma consistente e produtiva com a comunidade e com os órgãos dirigentes. Vale lembrar que toda autonomia é relativa; o discurso sobre ela não pode ser usado para justificar ferimentos sentimentais, nem isolamento.
 
Deleted:
<
<
A maior parte dos estudos sobre educação normalmente se relaciona, e de maneira prática à demanda escolar, sobretudo agora, quando um discurso repetitivo compromete todas as vantagens. Daí em diante, o próprio modelo de modernidade apoiada nas concepções enraizada adotou esta idéia de concepção. Os relatórios de hoje parecem fantasiar a educação das primeiras décadas do século XX que se ligava com desenvolvimento e excessividade em tratar os descolarizados como doentes.
 
Deleted:
<
<
Por conta disso, tornou-se comum nos encontros de professores, a clara diferença entre aqueles que estão ainda em curso e os já formados há muito tempo. Um choque entre velho e o novo, E o que é pior, os já estabelecidos no mercado de trabalho se armam de argumentos, afirmando a necessidade de mudar urgentemente a prática pedagógica.
 
Deleted:
<
<
Mas o que fazer? Negar o que se vem fazendo? Rasgar os planos? Queimar os livros?
 
Deleted:
<
<
Este Diário de Ciclo visa a integrar as atividades e os projetos desenvolvidos na minha prática pedagógica. Pretendo, ainda me apoiar em um processo de intervenção profunda e coletiva nas práticas cotidianas como professor, no interior de cada escola que trabalhei. Sei que é importante a elaboração dos planos em ação, através de uma reflexão conjunta com os alunos e demais envolvidos, para que a escola possa nortear seu trabalho e, assim, cumprir suas finalidades.
 
Deleted:
<
<
Acerca disso, vejo que é preciso que os gestores tenham consciência de que a as relações humanas dentro da escola devem visar sempre o bem estar de todos os envolvidos no processo ensino-aprendizagem, para garantir um ensino com qualidade. Quando isto não ocorre o processo fica prejudicado, como aconteceu comigo na execução de algumas atividades, colaborando assim para que a eu não alcance as finalidades pretendidas.
 
Deleted:
<
<
Muito se fala sobre a participação ativa do professor dentro do ambiente escolar, com tomadas de decisão acima do Diretor da escola, porém na prática não é esta a realidade da maioria das escolas. È um processo complicado, já que o acesso as tecnologias estão presentes no nosso dia-a-dia, e que ainda hoje existam professores analfabetos neste país, no ponto de vista de avaliar a si mesmo ou os outros com que trabalha.
 
Deleted:
<
<
Para mim, nessa caminhada, o ato de avaliar não implicou somente na aprovação ou reprovação do educando, mas sim orientação permanente para o meu desenvolvimento, tendo em vista tornar-me o que o meu pede. Todavia, foi preciso que eu tivesse cada vez mais acesso em como utilizar novas tecnologias no meu dia-a-dia, para que eu me sentisse seguro, ao transmitir aos alunos confiança e fazendo com que todos participassem ativamente das aulas com atividades orientadas. Mas os fatos se tornaram um pouco difícil, pois nem sempre o que eu planejei, os alunos cumpriram, mesmo eu dando idéias e sugerindos atividades diferentes. Mas tenho esperança qu esse quadro se reverte.
 
Deleted:
<
<
Em meio a tudo isso, me apeguei muito ao desenvolvimento de atitudes favoráveis, diante do uso das tecnologias na educação, como elementos fundamentais de diferentes possibilidades de formação dos cidadãos do mundo contemporâneo, praticando o processo de ensino e aprendizagem voltado para a busca, análise e tratamento de informações. Uma prova disso, foi o GEAC de Tecnologia e Práticas Pedagógicas, no qual estudei e aprofundei os conceitos de comunidades virtuais e interatividade. Com relação ao primeiro tema, eu percebi que existem alguns empecilhos que atrapalham na subsistência de um certo grupo. Vi que o grande desafio está na criação de artifícios que aproximam os alunos do mundo digital e, que outro ponto de dificuldade está na discussão de temas que tratam do interesse dos leitores e participantes dessa comunidade, que as vezes, não sabem nem entendem a linguagem virtual. Com isso, vejo que não é simples manter uma comunidade virtual, na qual existem pessoas que mal se conhecem. Já a interatividade apresenta característica de envolvimento público. A respeito desse tema estudado, me senti neutralizado, sem saber como inserir meus alunos num processo de conhecimento das tecnologias.
 
Deleted:
<
<
Mas, visando a facilidade de procedimento e a transmissão de aprendizagem utilizada em novos campos, pensei em criar e-mails para eles. Só depois daí, os coloquei em contato com as informações apropriadas referentes ao objeto de estudo. No meu caso, a matéria de história. Vale salientar que dentro desse projeto, o primeiro aspecto diz respeito ao fato da simples navegação, num universo de conhecimento com o micro, o mouse, e com outras ferramentas. Confesso que não foi preciso uma aprendizagem efetiva por parte dos alunos, fazendo-se necessário da parte deles um envolvimento nas atividades e tarefas. O segundo aspecto se refere ao domínio pela parte dos alunos dentro dos ambientes colaborativos, colocando suas estratégias de aprendizagem a partir da capacidade de aprender a aprender, através de pesquisas, da interação e construção partilhada e conjunta do conhecimento.
 
Deleted:
<
<
Para a construção do projeto, dentro das novas tecnologias, nem tudo ocorreu às mil maravilhas. Alguns fatores dificultaram o processo. O transporte por exemplo, foi o fator que nós (alunos e professores) sentimos mais resistência em adquirir. A Secretaria de Educação não o disponibilizou nenhuma vez, inviabilizando a nossa trajetória para o Tabuleiro Digital. Mesmo assim, fomos a pé, demonstrando vontade de dar abertura àquele plano em ação. Ai poderia surgir a seguinte pergunta: O que você fez para superar essa dificuldade? De início, enviei ofício a direção da escola, solicitando o transporte escolar, esta por sua vez, envia ofício à Secretaria Municipal de Educação, e esta por sua vez, envia o ofício à Secretaria de Transporte, também pedindo o referido. Mas devido a burocracia, nada foi conseguido. Diante disso, fiquei preocupado, e ao mesmo tempo com medo que esse plano de ação se esfriasse, por conta da falta de apoio que não tive por parte dos meus superiores, e caisse no esquecimento, na desilusão, vendo depois, acabar tudo aquilo que foi feito com intuito de reforçar as técnicas virtuais.
 
Deleted:
<
<
Nesse contexto, desenvolvi várias situaçõespara que os alunos percebessem os passos para criar e-mails; saber usá-los na sua formação, tendo como suporte as informações comentadas, bem como refletir sobre as problemáticas decorrentes das novas abordagens em aula , particularmente nos temas de História; emitir suas opiniões nos ambientes de aprendizagem, assim como fazer cadastros nos mesmos.Utilizar a Internet como meio de produção colaborativa; Pesquisar temas específicos e / ou espontâneos.
 
Changed:
<
<
No primeiro momento houve uma certa conturbação por conta da conexão que caiu, ficando impossível de acessar a internet, bem como criar e-mails para os alunos. Mas a situação foi controlada, e os alunos ficaram fazendo outra “cousa” no computador. Aí já foi o primeiro contato deles com as máquínas. Nesta situação, eles foram perdendo o medo de ficar de frente com o micro, o chamado “bicho de sete cabeças”; expressão usada para demonstrar as dificuldades diante de algo. Mesmo com a pouca oportunidade que eles tiveram, alguns acharam importante, pelo o fato de se comunicarem com outras pessoas, ainda que distantes,umas das outros. Também perceberam que foi um motivo a mais para não perderem as aulas de História. Porém, nem tudo ocorreu às mil maravilhas, muitos reclamaram do tempo e da falta de de recursos para comprar seus próprios computadores.
>
>
O "ABRINDO OUTROS CAMINHOS PARA NOVAS REALIZAÇÕES E APRENDENDO COM O TEMPO"
 
Added:
>
>
COLOCAR UMA CITAÇÃO O presente trabalho descreve e analisa uma experiência prática/pedagógica no contexto do ensino de graduação em Pedagogia - Séries Iniciais da Universidade Federal da Bahia, UFBA. A questão central nesta experiência foi buscar uma reflexão nos diários de ciclos, no intuito de apresentar as possíveis formas de aumentar a motivação do meu trabalho em sala de aula. No Programa de Formação Continuada para Professores do Município de Irecê, pretendi me constituir em uma experiência de prática/pedagógica que, exercida em uma dinâmica que foi fundamentada pelo respeito aos processos cotidianos e a valorização plena do sujeito. O projeto/Irecê tem dado uma importante contribuição no sentido de conquistar e firmar a autonomia dos cursistas, criando um clima onde professores e equipe se sentiram responsáveis por aquilo que aconteceu, inclusive em relação ao desenvolvimento dos alunos. De certa forma, foi projeto que nos ajudou, dentro do ambiente de trabalho, a resolver situação conflituosa da descentralização, e através disso, permitir argumentos de forma consistente e produtiva com a comunidade e com os órgãos dirigentes. Vale lembrar que toda autonomia é relativa; o discurso sobre ela não pode ser usado para justificar ferimentos sentimentais, nem isolamento. A maior parte dos estudos sobre educação normalmente se relaciona, e de maneira prática à demanda escolar, sobretudo agora, quando um discurso repetitivo compromete todas as vantagens. Daí em diante, o próprio modelo de modernidade apoiada nas concepções enraizada adotou esta idéia de concepção. Os relatórios de hoje parecem fantasiar a educação das primeiras décadas do século XX que se ligava com desenvolvimento e excessividade em tratar os descolarizados como doentes. Por conta disso, tornou-se comum nos encontros de professores, a clara diferença entre aqueles que estão ainda em curso e os já formados há muito tempo. Um choque entre velho e o novo, E o que é pior, os já estabelecidos no mercado de trabalho se armam de argumentos, afirmando a necessidade de mudar urgentemente a prática pedagógica. Mas o que fazer? Negar o que se vem fazendo? Rasgar os planos? Queimar os livros? Os diários de Ciclos visaram a integração das atividades e dos projetos desenvolvidos na minha prática pedagógica. Pretendi, ainda me apoiar em um processo de intervenção profunda e coletiva nas práticas cotidianas como professor, no interior de cada escola que trabalhei. Sei que é importante a elaboração dos planos em ação, através de uma reflexão conjunta com os alunos e demais envolvidos, para que a escola possa nortear seu trabalho e, assim, cumprir suas finalidades. Acerca disso, vejo que é preciso que os gestores tenham consciência de que a as relações humanas dentro da escola devem visar sempre o bem estar de todos os envolvidos no processo ensino-aprendizagem, para garantir um ensino com qualidade. Quando isto não ocorre o processo fica prejudicado, como aconteceu comigo na execução de algumas atividades, colaborando assim, para que a eu não alcance as finalidades pretendidas. Muito se fala sobre a participação ativa do professor dentro do ambiente escolar, com tomadas de decisão acima do Diretor da escola, porém na prática não é esta a realidade da maioria das escolas. È um processo complicado, já que o acesso as tecnologias estão presentes no nosso dia-a-dia, e que ainda hoje existam professores analfabetos neste país, no ponto de vista de avaliar a si mesmo ou os outros com que trabalha. Para mim, nessa caminhada, o ato de avaliar não implicou somente na aprovação ou reprovação do educando, mas sim, orientação permanente para o meu desenvolvimento. Todavia, foi preciso que eu tivesse cada vez mais acesso em como utilizar novas tecnologias no meu dia-a-dia, para que eu me sentisse seguro, ao transmitir aos alunos confiança e fazendo com que todos participassem, ativamente, das aulas com atividades orientadas. Mas os fatos se tornaram um pouco difícil, pois nem sempre o que eu planejei, os alunos cumpriram, mesmo eu dando idéias e sugerindos atividades diferentes. Mas tenho esperança qu esse quadro se reverte. COLOCAR UMA CITAÇÃO Em meio a tudo isso, me apeguei muito ao desenvolvimento de atitudes favoráveis, diante do uso das tecnologias na educação, como elementos fundamentais de diferentes possibilidades de formação dos cidadãos do mundo contemporâneo, praticando o processo de ensino e aprendizagem voltado para a busca, análise e tratamento de informações. Uma prova disso, foi o GEAC de Tecnologia e Práticas Pedagógicas, no qual estudei e aprofundei os conceitos de comunidades virtuais e interatividade. Com relação ao primeiro tema, percebi que existem alguns empecilhos que atrapalham na subsistência de um certo grupo. Vi que o grande desafio está na criação de artifícios que aproximam os alunos do mundo digital e, que outro ponto de dificuldade está na discussão de temas que tratam do interesse dos leitores e participantes dessa comunidade, que as vezes, não sabem nem entendem a linguagem virtual. Com isso, vejo que não é simples manter uma comunidade virtual, na qual existem pessoas que mal se conhecem. Já a interatividade apresenta característica de envolvimento público. A respeito desse tema estudado, me senti neutralizado, sem saber como inserir meus alunos num processo de conhecimento das tecnologias. Mas, visando a facilidade de procedimento e a transmissão de aprendizagem utilizada em novos campos, pensei em criar e-mails para eles. Só depois daí, os coloquei em contato com as informações apropriadas referentes ao objeto de estudo. No meu caso, a matéria de História. Vale salientar que dentro desse projeto, orientado pela Professora Maria Helena Bonila, o primeiro aspecto ficou voltado ao fato da simples navegação, num universo de conhecimento com o monitor, o mouse, e com outras ferramentas. Confesso que não foi preciso uma aprendizagem efetiva por parte dos alunos, fazendo-se necessário da parte deles um envolvimento nas atividades e tarefas. O segundo aspecto referiu-se ao domínio pela parte dos alunos dentro dos Ambientes Colaborativos, colocando suas estratégias de aprendizagem a partir da capacidade de aprender a aprender, através de pesquisas, da interação e construção partilhada e conjunta do conhecimento. Para a construção do projeto, dentro das novas tecnologias, nem tudo ocorreu às mil maravilhas. Alguns fatores dificultaram o processo. O transporte por exemplo, foi o fator que nós (alunos e professores) sentimos mais resistência em adquirir. A Secretaria de Educação não o disponibilizou nenhuma vez, inviabilizando a nossa trajetória para o Tabuleiro Digital. Mesmo assim, fomos a pé, demonstrando vontade de dar abertura àquele plano em ação. Ai poderia surgir a seguinte pergunta: O que você fez para superar essa dificuldade? De início, enviei ofício a direção da escola, solicitando o transporte escolar, esta por sua vez, envia ofício à Secretaria Municipal de Educação, e esta por sua vez, envia o ofício à Secretaria de Transporte, também pedindo o referido. Mas devido a burocracia, nada foi conseguido. Diante disso, fiquei preocupado, e ao mesmo tempo com medo que esse plano de ação se esfriasse, por conta da falta de apoio que não tive por parte dos meus superiores, e caisse no esquecimento, na desilusão, vendo depois, acabar tudo aquilo que foi feito com intuito de reforçar as técnicas virtuais. Nesse contexto, desenvolvi várias situações para que os alunos percebessem os passos para criar e-mails; saber usá-los na sua formação, tendo como suporte as informações comentadas, bem como refletir sobre as problemáticas decorrentes das novas abordagens em aula , particularmente nos temas de História; emitir suas opiniões nos ambientes de aprendizagem, assim como fazer cadastros nos mesmos.Utilizar a Internet como meio de produção colaborativa; Pesquisar temas específicos e / ou espontâneos. No primeiro momento houve uma certa conturbação por conta da conexão que caiu, ficando impossível de acessar a internet, bem como criar e-mails para os alunos. Mas a situação foi controlada, e os alunos ficaram fazendo outra “cousa” no computador. Aí já foi o primeiro contato deles com as máquínas. Nesta situação, eles foram perdendo o medo de ficar de frente com o micro, o chamado “bicho de sete cabeças”; expressão usada para demonstrar as dificuldades diante de algo. Mesmo com a pouca oportunidade que eles tiveram, alguns acharam importante, pelo o fato de se comunicarem com outras pessoas, ainda que distantes,umas das outros. Também perceberam que foi um motivo a mais para não perderem as aulas de História. Porém, nem tudo ocorreu às mil maravilhas, muitos reclamaram do tempo e da falta de de recursos para comprar seus próprios computadores. COLOCAR UMA CITAÇÃO
  Outro aspecto que contribuiu com a minha prática pedagógica, foi a Atividade 525 "Um encontro com a matemática". Nela, estudei a matemática enquanto ciência e, sua importância para o desenvolvimento do raciocínio lógico. Fiz reflexão sobre a necessidade do entendimento da presença da matemática no cotidiano, percebi que isso é sempre possível, pois sua finalidade é desmistificar sua incompreensão. Na visão da maioria dos estudiosos nesta área, o desenvolvimento do estudante está muito abaixo do esperado. Porém, de forma muito triste, eu vejo essa visão ser confirmada nas escolas; isso por causa dos modelos de avaliação, aos quais os métodos de ensino têm sujeitado os alunos.
Added:
>
>
Foi a partir dessa constatação, e também com base nos aspectos abordados na oficina de matemática, que pensei sobre as seguintes questões: Qual o papel da matemática na formação dos alunos que estudam o ensino fundamental? Em que medida o que estamos ensinando em sala de aula é coerente com esse papel? O que precisa ser modificado em nossa prática para que a matemática venha cumprir esse papel? Eu sempre soube que estas questões são essenciais para o estudo da matemática. Só que eu não percebia a importância desse papel, tanto no início, quanto no decorrer da aprendizagem. Na verdade eu sempre deixava para depois. Creio também, que para contemplar as indagações acima citadas, tive que realizar exercícios que estimulassem o cálculos mentais dos meus alunos, e que eles pudessem operar, também, com a calculadora. Esses procedimentos foram vantajosos porque foram colocados de maneira bem prática, pois contribuíram no desenvolvimento do raciocínio, nas percepções dos padrões numéricos, nas avaliações dos preços e valores, bem como entender os conceitos matemáticos. Vejo que mais do que cálculos, a matemática é imaginação. Para calcular hoje em dia, existem as máquinas. O mais importante no trabalho matemático é o raciocínio, a capacidade de resolver problemas e usar as idéias para explorar as situações mais diversas. Os relevantes não são apenas os cálculos, e sim, saber o que fazer com eles. Para isso, é fundamental o sentido dos números e o espírito crítico com relação aos resultados. E tudo isso foi comprovado no plano de ação que desenvolvi com alunos de terceiro ciclo. Nesse estudo, os alunos passaram a conhecer a matemática que ensino, entenderam as características do meu trabalho e perceberam que o papel do professor é de despertar uma criatividade pedagógica aliada à matemática. Como o plano de ação tratava da utilidade do ábaco, vi que além de ser útil no processo das operações matemáticas, ele ajudou os alunos na percepção e na importância do “vai um” ou do “toma um emprestado”. Por isso, resolvi aplicá-lo como objeto de estudo, aprimorando a técnica de cálculos dos alunos, bem como na compreensão do sistema decimal. Nessas condições, os alunos resolveram desafios envolvendo adição e subtração; discutiram a idéia do famoso "empresta um"; compreenderam o sistema decimal; explicitaram o próprio raciocínio, procurando compreender o pensamento do colega. Trabalhei com o ábaco numa sala de terceiro ciclo (quinta série do Ensino Fundamenta), composta de 30 alunos. Articulei a proposta de trabalho para os alunos, dividindo-os em três grupos de dez, apresentando o ábaco para eles, e fazendo algumas demonstrações com o uso do dado para complementação da atividade. Em seguida, expliquei o porquê do “vai um” e do “toma um emprestado.” Logo depois, propus alguns problemas envolvendo a adição e a subtração; e aí além da idéia do “vai um” criou-se também a do “toma um emprestado”. Nesta atividade, o ábaco também ajudou na posição do sistema decimal. Vários desafios foram lançados para os alunos responderem. Mas em determinada situação, eles se confundiam ao demonstrar o próprio raciocínio. Entender o pensamento dos colegas, foi algo que deixou os alunos tímidos na apresentação do referido tema. Isso foi muito difícil no desenvolvimento da atividade. Os objetivos propostos não foram completamente alcançados por conta do descaso de alguns alunos. Não sei se faltou mais incentivo de minha parte ou se foi falta de vontade deles por não terem conhecimento do objeto estudado. Porém, confesso que alguns acharam o ábaco um instrumento sem valor conceitual. No entanto, para eles, fazer cálculos mecanicamente, era melhor. Respeitei as idéias deles, e procurei outra forma de dinamizar a aula. Contudo, percebi que em cada parte que os dados eram jogados, eles corriam e anotavam, com medo de errar. Mas valeu o esforço, pois eu aprendi a trabalhar com situação um pouco desconfortável. Em todos os ciclos, eu frisava a minha participação e o desenvolvimento da professora Margareth no grupo de orientação. No ciclo dois, predominou a democracia, as decisões para o andamento foram tomadas pelos seus participantes. O principal sentido da noção de políticas públicas em ação estava associado a propostas de retribuir a uma raça algo que um dia lhe foi tirado e imposto com muita soberania. Essa experiência, unida ao processo que eu tinha vivido, confirmou a idéia de que a escola não pode ser propriedade nem dos professores, nem do diretor, mas sim, a de incluir toda comunidade educativa. O que mais me chamou à atenção foi o desenvolvimento das discussões que me serviram de referência para nortear o meu trabalho e as minhas opiniões em torno das atividades previstas no projeto pedagógico. Sem perder de vista a metodologia aplicada, a mediação me auxiliou num possível aperfeiçoamento científico, atualizando e organizando os pré-requisitos do contexto universitário, dando suporte nas argumentações, com base na leitura de textos oficina de conceitos exibição de vídeos sobre a escravidão no Brasil e sistema de cotas. No ciclo três, o foco dessa orientação foi a aprendizagem de estratégias de leitura e escrita, cujo objetivo da orientadora foi o de incentivar o uso autônomo dessas estratégias. É importante destacar que a professora deixou claro desde o inicio que não se tratava de um ensino transmissivo, no qual iríamos repetir o que ouvimos, e sim a ampliação das práticas de leitura e escrita para variar o repertório de estratégias.COLOCAR UMA CITAÇÃO Já no quarto ciclo, me aliei às técnicas e estratégias aplicadas ao exercício da memorização. Foi ali que percebi que a memória é uma construção pessoal que cada cursista realiza, graças à ajuda que recebe de outras pessoas. Tendo esta percepção, senti-me motivado a trabalhar em minha escola, alguns exercícios de memorização que permitissem aos alunos lembrar os resultados, responder às perguntas com mais lógica, bem como fazer comparações entre diferentes pontos de vista. Assim, eu estaria refletindo as dificuldades existentes entre minha prática e a forma pela qual os meus alunos não apresentavam informações apropriadas para cada uma das questões. E a partir deste trabalho realizado, pude adotar novas atitudes que favoreceram tanto o meu desempenho, quanto a interpretação dos alunos. Das análises realizadas até o momento com relação ao grupo de orientação, merece destaque a do ciclo dois, no qual constatei que duas das professoras envolvidas no projeto, manifestaram alteração de visão, tanto acerca do exercício sobre o próprio trabalho, quanto a respeito da própria tomada de decisão diante de seus superiores e de seus subordinados. Essas professoras são Márcia Sales e Margareth Dourado. O interessante foi que ao elaborar meu diário, eu percebi essas características das pessoas citadas. Elas demonstraram prática como facilitadora do exercício, não apenas no sentido de indicar meios positivos para que eu conseguisse algo, mas como resolver a complexidade, transformando-a num processo simples. As orientadoras aplicaram recursos de como tomar distância ou ver de fora o próprio trabalho no que se refere os problemas a serem enfrentados, erros e acertos na execução de uma atividade, pontos frágeis no próprio desempenho, relação entre o planejado e executado, percepção de detalhes do cotidiano das aulas, atuações diferenciadas, busca de soluções e saídas para as atividades e a possibilidade de refazê-las.
 
Deleted:
<
<
Foi a partir dessa constatação, e também com base nos aspectos abordados na oficina de matemática, que eu pensei sobre as seguintes questões: qual o papel da matemática na formação dos alunos que estudam o ensino fundamental? Em que medida o que estamos ensinando em sala de aula é coerente com esse papel? O que precisa ser modificado em nossa prática para que a matemática venha cumprir esse papel?
 
Deleted:
<
<
Eu sempre soube que estas questões são essenciais para o estudo da matemática. Só que eu não percebia a importância desse papel, tanto no início, quanto no decorrer da aprendizagem. Na verdade eu sempre deixava para depois. Creio também, que para contemplar as indagações acima citadas, tive que realizar exercícios que estimulassem o cálculo mental dos meus alunos, e que eles pudessem operar, também, com a calculadora. Esses procedimentos foram vantajosos porque foram colocados de maneira bem prática, pois contribuíram no desenvolvimento do raciocínio, nas percepções dos padrões numéricos, nas avaliações dos preços e valores, bem como entender os conceitos matemáticos.
 
Deleted:
<
<
Mais do que cálculos, a matemática é imaginação. Para calcular hoje em dia, existem as máquinas. O mais importante no trabalho matemático é o raciocínio, a capacidade de resolver problemas e usar as idéias para explorar as situações mais diversas. Os relevantes não são apenas os cálculos, e sim, saber o que fazer com eles. Para isso, é fundamental o sentido dos números e o espírito crítico com relação aos resultados.
 
Deleted:
<
<
E tudo isso foi comprovado no plano de ação que desenvolvi com alunos de terceiro ciclo. Nele, os alunos passaram a conhecer, um pouco, a matemática que ensino, entenderam as características do meu trabalho e perceberam que o papel do professor é de despertar uma criatividade pedagógica aliada à matemática.
 
Deleted:
<
<
Como o plano de ação tratava da utilidade do ábaco, vi que além de ser útil no processo das operações matemáticas, ele ajuda os alunos na percepção e na importância do “vai um” ou do “toma um emprestado”. Por isso resolvi aplicá-lo como objeto de estudo, aprimorando a técnica de cálculos dos alunos, bem como na compreensão do sistema decimal.
 
Deleted:
<
<
Nessas condições, os alunos resolveram desafios envolvendo adição e subtração; discutiram a idéia do famoso empresta um; compreenderam o sistema decimal; explicitaram o próprio raciocínio, procurando compreender o pensamento do colega. Trabalhei com o ábaco numa sala de quinta série, composta de 30 alunos. Articulei a proposta de trabalho para os alunos, dividindo-os em três grupos de dez, apresentando o ábaco para eles, e fazendo algumas demonstrações com o uso do dado para complementação da atividade. Em seguida, expliquei o porquê do “vai um” e do “toma um emprestado” . Falei que não poderia passar de dez, usando o ábaco.
 
Changed:
<
<
Logo depois, propus alguns problemas envolvendo a adição e a subtração; e aí além da idéia do “vai um” criou-se também a do “toma um emprestado”. Nesta atividade, o ábaco também ajudou na posição do sistema decimal. Vários desafios foram lançados para os alunos responderem. Mas em determinada situação, eles se confundiam ao demonstrar o próprio raciocínio. Entender o pensamento dos colegas, foi algo que deixou os alunos tímidos na apresentação do referido tema. Isso foi muito difícil no desenvolvimento da atividade. Os objetivos propostos não foram completamente alcançados por conta do descaso de alguns alunos. Não sei se faltou mais incentivo de minha parte ou se foi falta de vontade deles por não terem conhecimento do objeto estudado. Porém, confesso que alguns acharam o ábaco um instrumento sem valor conceitual. No entanto, para eles, fazer cálculos mecanicamente, era melhor. Respeitei as idéias deles, e procurei outra forma de dinamizar a aula.
>
>
COLOCAR REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Irecê-BA

2007

 
Deleted:
<
<
Contudo, percebi que em cada parte que os dados eram jogados, eles corriam e anotavam, com medo de errar. Mas valeu o esforço, pois eu aprendi a trabalhar com situação um pouco desconfortável.
 
Deleted:
<
<
Em todos os ciclos, eu frisava a minha participação e o desenvolvimento da professora Margareth no grupo de orientação. No ciclo dois, predominou a democracia, as decisões para o andamento foram tomadas pelos seus participantes. O principal sentido da noção de políticas públicas em ação estava associado a propostas de retribuir a uma raça algo que um dia lhe foi tirado e imposto com muita soberania. Essa experiência, unida ao processo que eu tinha vivido, confirmou a idéia de que a escola não pode ser propriedade dos professores, mas sim, a de incluir toda comunidade educativa. O que mais me chamou à atenção foi o desenvolvimento das discussões que me serviram de referência para nortear o meu trabalho e as minhas opiniões em torno das atividades previstas no projeto pedagógico. Sem perder de vista a metodologia aplicada, a mediação ajudou para um possível aperfeiçoamento científico, atualizando e organizando os pré-requisitos do contexto universitário, dando-me suporte nas argumentações, com base na leitura de textos oficina de conceitos exibição de vídeos sobre a escravidão no Brasil e sistema de cotas.
 
Deleted:
<
<
No ciclo três, o foco dessa orientação foi a aprendizagem de estratégias de leitura e escrita, cujo objetivo da orientadora foi o de incentivar o uso autônomo dessas estratégias. É importante destacar que a professora deixou claro desde o inicio que não se tratava de um ensino transmissivo, no qual iríamos repetir o que ouvimos, e sim a ampliação das práticas de leitura e escrita para variar o repertório de estratégias. Já no quarto ciclo, me aliei às técnicas e estratégias aplicadas ao exercício da memorização. Foi ali que percebi que a memória é uma construção pessoal que cada cursista realiza, graças à ajuda que recebe de outras pessoas. Tendo esta percepção, senti-me motivado a trabalhar em minha escolaalguns exercícios de memorização que permitissem aos alunos lembrar os resultados, responder às perguntas com mais lógica, bem como fazer comparações entre diferentes pontos de vista. Assim, eu estaria refletindo as dificuldades existentes entre minha prática e a forma pela qual os meus alunos não apresentavam informações apropriadas para cada uma das questões. E a partir deste trabalho realizado, pude adotar novas atitudes que favoreceram tanto o meu desempenho, quanto a interpretação dos alunos.
 
Deleted:
<
<
Das análises realizadas até o momento com relação ao grupo de orientação, merece destaque a do ciclo cinco, no qual constatei que duas das professoras envolvidas no projeto, manifestaram alteração de visão, tanto acerca do exercício sobre o próprio trabalho, quanto a respeito da própria tomada de decisão diante de seus superiores e de seus subordinados. Essas professoras são Márcia Sales e Margareth Dourado. O interessante foi que ao elaborar meu diário, eu percebi essas características das pessoas citadas. Elas demonstraram prática como facilitadora do exercício, não apenas no sentido de indicar meios positivos para que eu conseguisse algo, mas como resolver a complexidade, transformando-a num processo simples.
 
Deleted:
<
<
As orientadoras aplicaram recursos de como tomar distância ou ver de fora o próprio trabalho no que se refere os problemas a serem enfrentados, erros e acertos na execução de uma atividade, pontos frágeis no próprio desempenho, relação entre o planejado e executado, percepção de detalhes do cotidiano das aulas, atuações diferenciadas, busca de soluções e saídas para as atividades e a possibilidade de refazê-las.
 

Revision 409 Jan 2007 - CecilioSantos

Line: 1 to 1
 
META TOPICPARENT name="AntônioCecílio"

Diário De Ciclo VI

Deleted:
<
<
UFBA - Universidade Federal da Bahia FACED - Faculdade de Educação CURSO- Licenciatura em Pedagogia ATIVIDADE - DIÁRIO DE CICLO (SEIS) PROFESSORA/ORIENTADORA -Rúbia Margareth Dourado ALUNO- Antônio Cecílio
 
Added:
>
>

AUTOR - Antônio Cecílio dos Santos

 
Added:
>
>

ORIENTAÇÃO -Rúbia Margareth Dourado

 

Deleted:
<
<
DIÁRIO DE CICLO VI
 
Deleted:
<
<
UFBA/IRECÊ-BA
 
Added:
>
>

"ABRINDO OUTROS CAMINHOS PARA NOVAS REALIZAÇÕES E APRENDENDO COM O TEMPO"

 
Added:
>
>
O presente trabalho descreve e analisa uma experiência prática/pedagógica no contexto do ensino de graduação em Pedagogia - Séries Iniciais da Universidade Federal da Bahia. A questão central nesta experiência foi buscar uma reflexão sobre quais as possíveis formas de aumentar a motivação do meu trabalho em sala de aula.
 
Deleted:
<
<

IRECÊ, DEZEMBRO DE 2006

Experiências no Curso de Pedagogia

 No Programa de Formação Continuada de Professores para o Município de Irecê, pretendi me constituir em uma experiência de prática pedagógica que, exercida em uma dinâmica que foi fundamentada pelo respeito aos processos cotidianos e a valorização plena do sujeito. O projeto/Irecê tem dado uma importante contribuição no sentido de conquistar e firmar a autonomia dos cursistas, criando um clima onde professores e equipe se sintam responsáveis por aquilo que lá acontece, inclusive em relação ao desenvolvimento dos alunos. De certa forma, é o projeto que vai articular, dentro do ambiente de trabalho, a situação conflituosa da descentralização, e através disto permitir argumentos de forma consistente e produtiva com a comunidade e com os órgãos dirigentes. Vale lembrar que toda autonomia é relativa; o discurso sobre ela não pode ser usado para justificar ferimentos sentimentais, nem isolamento.
Added:
>
>
  A maior parte dos estudos sobre educação normalmente se relaciona, e de maneira prática à demanda escolar, sobretudo agora, quando um discurso repetitivo compromete todas as vantagens.Daí em diante, o próprio modelo de modernidade apoiada nas concepções enraizada adotou esta idéia de concepção. Os relatórios de hoje parecem fantasiar a educação das primeiras décadas do século XX que se ligava com desenvolvimento e excessividade em tratar os descolarizados como doentes.
Added:
>
>
  Por conta disso, tornou-se comum nos encontros de professores, a clara diferença entre aqueles que estão ainda em curso e os já formados há muito tempo. Um choque entre velho e o novo, E o que é pior, os já estabelecidos no mercado de trabalho se armam de argumentos, afirmando a necessidade de mudar urgentemente a prática pedagógica.
Added:
>
>
  Mas o que fazer? Negar o que se vem fazendo? Rasgar os planos? Queimar os livros?
Added:
>
>
 Este Diário de Ciclo visa a integrar as atividades e os projetos desenvolvidos na minha prática pedagógica. Pretendo, ainda me apoiar em um processo de intervenção profunda e coletiva nas práticas cotidianas como professor, no interior de cada escola que trabalhei. Sei que é importante a elaboração dos planos em ação, através de uma reflexão conjunta com os alunos e demais envolvidos, para que a escola possa nortear seu trabalho e, assim, cumprir suas finalidades.
Added:
>
>
  Acerca disso, vejo que é preciso que os gestores tenham consciência de que a as relações humanas dentro da escola devem visar sempre o bem estar de todos os envolvidos no processo ensino-aprendizagem, para garantir um ensino com qualidade. Quando isto não ocorre o processo fica prejudicado, como aconteceu comigo na execução de algumas atividades, colaborando assim para que a eu não alcance as finalidades pretendidas.
Added:
>
>
  Muito se fala sobre a participação ativa do professor dentro do ambiente escolar, com tomadas de decisão acima do Diretor da escola, porém na prática não é esta a realidade da maioria das escolas. È um processo complicado, já que o acesso as tecnologias estão presentes no nosso dia-a-dia, e que ainda hoje existam professores analfabetos neste país, no ponto de vista de avaliar a si mesmo ou os outros com que trabalha.
Changed:
<
<
Nessa caminhada, para mim, o ato de avaliar não implicou somente na aprovação ou reprovação do educando, mas sim orientação permanente para o meu desenvolvimento, tendo em vista tornar-me o que o meu pede. Todavia, foi preciso que eu tivesse cada vez mais acesso em como utilizar novas tecnologias no meu dia-a-dia, para que eu me sentisse seguro, ao transmitir aos alunos confiança e fazendo com que todos participassem ativamente das aulas com atividades orientadas. Mas os fatos se tornaram um pouco difícil, pois nem sempre o que eu planejei, os alunos cumpriram, mesmo eu dando idéias e sugerindos atividades diferentes. Mas tenho esperança qu esse quadro se reverte.
>
>
Para mim, nessa caminhada, o ato de avaliar não implicou somente na aprovação ou reprovação do educando, mas sim orientação permanente para o meu desenvolvimento, tendo em vista tornar-me o que o meu pede. Todavia, foi preciso que eu tivesse cada vez mais acesso em como utilizar novas tecnologias no meu dia-a-dia, para que eu me sentisse seguro, ao transmitir aos alunos confiança e fazendo com que todos participassem ativamente das aulas com atividades orientadas. Mas os fatos se tornaram um pouco difícil, pois nem sempre o que eu planejei, os alunos cumpriram, mesmo eu dando idéias e sugerindos atividades diferentes. Mas tenho esperança qu esse quadro se reverte.
  Em meio a tudo isso, me apeguei muito ao desenvolvimento de atitudes favoráveis, diante do uso das tecnologias na educação, como elementos fundamentais de diferentes possibilidades de formação dos cidadãos do mundo contemporâneo, praticando o processo de ensino e aprendizagem voltado para a busca, análise e tratamento de informações. Uma prova disso, foi o GEAC de Tecnologia e Práticas Pedagógicas, no qual estudei e aprofundei os conceitos de comunidades virtuais e interatividade. Com relação ao primeiro tema, eu percebi que existem alguns empecilhos que atrapalham na subsistência de um certo grupo. Vi que o grande desafio está na criação de artifícios que aproximam os alunos do mundo digital e, que outro ponto de dificuldade está na discussão de temas que tratam do interesse dos leitores e participantes dessa comunidade, que as vezes, não sabem nem entendem a linguagem virtual. Com isso, vejo que não é simples manter uma comunidade virtual, na qual existem pessoas que mal se conhecem. Já a interatividade apresenta característica de envolvimento público. A respeito desse tema estudado, me senti neutralizado, sem saber como inserir meus alunos num processo de conhecimento das tecnologias.
Added:
>
>
  Mas, visando a facilidade de procedimento e a transmissão de aprendizagem utilizada em novos campos, pensei em criar e-mails para eles. Só depois daí, os coloquei em contato com as informações apropriadas referentes ao objeto de estudo. No meu caso, a matéria de história. Vale salientar que dentro desse projeto, o primeiro aspecto diz respeito ao fato da simples navegação, num universo de conhecimento com o micro, o mouse, e com outras ferramentas. Confesso que não foi preciso uma aprendizagem efetiva por parte dos alunos, fazendo-se necessário da parte deles um envolvimento nas atividades e tarefas. O segundo aspecto se refere ao domínio pela parte dos alunos dentro dos ambientes colaborativos, colocando suas estratégias de aprendizagem a partir da capacidade de aprender a aprender, através de pesquisas, da interação e construção partilhada e conjunta do conhecimento.
Added:
>
>
  Para a construção do projeto, dentro das novas tecnologias, nem tudo ocorreu às mil maravilhas. Alguns fatores dificultaram o processo. O transporte por exemplo, foi o fator que nós (alunos e professores) sentimos mais resistência em adquirir. A Secretaria de Educação não o disponibilizou nenhuma vez, inviabilizando a nossa trajetória para o Tabuleiro Digital. Mesmo assim, fomos a pé, demonstrando vontade de dar abertura àquele plano em ação. Ai poderia surgir a seguinte pergunta: O que você fez para superar essa dificuldade? De início, enviei ofício a direção da escola, solicitando o transporte escolar, esta por sua vez, envia ofício à Secretaria Municipal de Educação, e esta por sua vez, envia o ofício à Secretaria de Transporte, também pedindo o referido. Mas devido a burocracia, nada foi conseguido. Diante disso, fiquei preocupado, e ao mesmo tempo com medo que esse plano de ação se esfriasse, por conta da falta de apoio que não tive por parte dos meus superiores, e caisse no esquecimento, na desilusão, vendo depois, acabar tudo aquilo que foi feito com intuito de reforçar as técnicas virtuais.

Nesse contexto, desenvolvi várias situaçõespara que os alunos percebessem os passos para criar e-mails; saber usá-los na sua formação, tendo como suporte as informações comentadas, bem como refletir sobre as problemáticas decorrentes das novas abordagens em aula , particularmente nos temas de História; emitir suas opiniões nos ambientes de aprendizagem, assim como fazer cadastros nos mesmos.Utilizar a Internet como meio de produção colaborativa; Pesquisar temas específicos e / ou espontâneos.

Line: 51 to 45
  Para a construção do projeto, dentro das novas tecnologias, nem tudo ocorreu às mil maravilhas. Alguns fatores dificultaram o processo. O transporte por exemplo, foi o fator que nós (alunos e professores) sentimos mais resistência em adquirir. A Secretaria de Educação não o disponibilizou nenhuma vez, inviabilizando a nossa trajetória para o Tabuleiro Digital. Mesmo assim, fomos a pé, demonstrando vontade de dar abertura àquele plano em ação. Ai poderia surgir a seguinte pergunta: O que você fez para superar essa dificuldade? De início, enviei ofício a direção da escola, solicitando o transporte escolar, esta por sua vez, envia ofício à Secretaria Municipal de Educação, e esta por sua vez, envia o ofício à Secretaria de Transporte, também pedindo o referido. Mas devido a burocracia, nada foi conseguido. Diante disso, fiquei preocupado, e ao mesmo tempo com medo que esse plano de ação se esfriasse, por conta da falta de apoio que não tive por parte dos meus superiores, e caisse no esquecimento, na desilusão, vendo depois, acabar tudo aquilo que foi feito com intuito de reforçar as técnicas virtuais.

Nesse contexto, desenvolvi várias situaçõespara que os alunos percebessem os passos para criar e-mails; saber usá-los na sua formação, tendo como suporte as informações comentadas, bem como refletir sobre as problemáticas decorrentes das novas abordagens em aula , particularmente nos temas de História; emitir suas opiniões nos ambientes de aprendizagem, assim como fazer cadastros nos mesmos.Utilizar a Internet como meio de produção colaborativa; Pesquisar temas específicos e / ou espontâneos.

Added:
>
>
  No primeiro momento houve uma certa conturbação por conta da conexão que caiu, ficando impossível de acessar a internet, bem como criar e-mails para os alunos. Mas a situação foi controlada, e os alunos ficaram fazendo outra “cousa” no computador. Aí já foi o primeiro contato deles com as máquínas. Nesta situação, eles foram perdendo o medo de ficar de frente com o micro, o chamado “bicho de sete cabeças”; expressão usada para demonstrar as dificuldades diante de algo. Mesmo com a pouca oportunidade que eles tiveram, alguns acharam importante, pelo o fato de se comunicarem com outras pessoas, ainda que distantes,umas das outros. Também perceberam que foi um motivo a mais para não perderem as aulas de História. Porém, nem tudo ocorreu às mil maravilhas, muitos reclamaram do tempo e da falta de de recursos para comprar seus próprios computadores.
Added:
>
>
  Outro aspecto que contribuiu com a minha prática pedagógica, foi a Atividade 525 "Um encontro com a matemática". Nela, estudei a matemática enquanto ciência e, sua importância para o desenvolvimento do raciocínio lógico. Fiz reflexão sobre a necessidade do entendimento da presença da matemática no cotidiano, percebi que isso é sempre possível, pois sua finalidade é desmistificar sua incompreensão. Na visão da maioria dos estudiosos nesta área, o desenvolvimento do estudante está muito abaixo do esperado. Porém, de forma muito triste, eu vejo essa visão ser confirmada nas escolas; isso por causa dos modelos de avaliação, aos quais os métodos de ensino têm sujeitado os alunos.
Added:
>
>
  Foi a partir dessa constatação, e também com base nos aspectos abordados na oficina de matemática, que eu pensei sobre as seguintes questões: qual o papel da matemática na formação dos alunos que estudam o ensino fundamental? Em que medida o que estamos ensinando em sala de aula é coerente com esse papel? O que precisa ser modificado em nossa prática para que a matemática venha cumprir esse papel?
Added:
>
>
  Eu sempre soube que estas questões são essenciais para o estudo da matemática. Só que eu não percebia a importância desse papel, tanto no início, quanto no decorrer da aprendizagem. Na verdade eu sempre deixava para depois. Creio também, que para contemplar as indagações acima citadas, tive que realizar exercícios que estimulassem o cálculo mental dos meus alunos, e que eles pudessem operar, também, com a calculadora. Esses procedimentos foram vantajosos porque foram colocados de maneira bem prática, pois contribuíram no desenvolvimento do raciocínio, nas percepções dos padrões numéricos, nas avaliações dos preços e valores, bem como entender os conceitos matemáticos.
Added:
>
>
  Mais do que cálculos, a matemática é imaginação. Para calcular hoje em dia, existem as máquinas. O mais importante no trabalho matemático é o raciocínio, a capacidade de resolver problemas e usar as idéias para explorar as situações mais diversas. Os relevantes não são apenas os cálculos, e sim, saber o que fazer com eles. Para isso, é fundamental o sentido dos números e o espírito crítico com relação aos resultados.
Added:
>
>
  E tudo isso foi comprovado no plano de ação que desenvolvi com alunos de terceiro ciclo. Nele, os alunos passaram a conhecer, um pouco, a matemática que ensino, entenderam as características do meu trabalho e perceberam que o papel do professor é de despertar uma criatividade pedagógica aliada à matemática.
Added:
>
>
  Como o plano de ação tratava da utilidade do ábaco, vi que além de ser útil no processo das operações matemáticas, ele ajuda os alunos na percepção e na importância do “vai um” ou do “toma um emprestado”. Por isso resolvi aplicá-lo como objeto de estudo, aprimorando a técnica de cálculos dos alunos, bem como na compreensão do sistema decimal.
Added:
>
>
  Nessas condições, os alunos resolveram desafios envolvendo adição e subtração; discutiram a idéia do famoso empresta um; compreenderam o sistema decimal; explicitaram o próprio raciocínio, procurando compreender o pensamento do colega. Trabalhei com o ábaco numa sala de quinta série, composta de 30 alunos. Articulei a proposta de trabalho para os alunos, dividindo-os em três grupos de dez, apresentando o ábaco para eles, e fazendo algumas demonstrações com o uso do dado para complementação da atividade. Em seguida, expliquei o porquê do “vai um” e do “toma um emprestado” . Falei que não poderia passar de dez, usando o ábaco.
Added:
>
>
  Logo depois, propus alguns problemas envolvendo a adição e a subtração; e aí além da idéia do “vai um” criou-se também a do “toma um emprestado”. Nesta atividade, o ábaco também ajudou na posição do sistema decimal. Vários desafios foram lançados para os alunos responderem. Mas em determinada situação, eles se confundiam ao demonstrar o próprio raciocínio. Entender o pensamento dos colegas, foi algo que deixou os alunos tímidos na apresentação do referido tema. Isso foi muito difícil no desenvolvimento da atividade.
Changed:
<
<
Os objetivos propostos não foram completamente alcançados por conta do descaso de alguns alunos. Não sei se faltou mais incentivo de minha parte ou se foi falta de vontade deles por não terem conhecimento do objeto estudado. Porém, confesso que alguns acharam o ábaco um instrumento sem valor conceitual. No entanto, para eles, fazer cálculos mecanicamente, era melhor. Respeitei as idéias deles, e procurei outra forma de dinamizar a aula. Todavia, eu percebi que em cada parte que os dados eram jogados, eles corriam e anotavam, com medo de errar. Mas valeu o esforço, pois eu aprendi a trabalhar com situação um pouco desconfortável.
>
>
Os objetivos propostos não foram completamente alcançados por conta do descaso de alguns alunos. Não sei se faltou mais incentivo de minha parte ou se foi falta de vontade deles por não terem conhecimento do objeto estudado. Porém, confesso que alguns acharam o ábaco um instrumento sem valor conceitual. No entanto, para eles, fazer cálculos mecanicamente, era melhor. Respeitei as idéias deles, e procurei outra forma de dinamizar a aula.
 
Changed:
<
<
Em todos os ciclos, eu frisava a minha participação e o desenvolvimento da professora Margareth no grupo de orientação. No ciclo dois, predominou a democracia, as decisões para o andamento foram tomadas pelos seus participantes. O principal sentido da noção de políticas públicas em ação estava associado a propostas de retribuir a uma raça algo que um dia lhe foi tirado e imposto com muita soberania. Essa experiência, unida ao processo que eu tinha vivido, confirmou a idéia de que a escola não pode ser propriedade dos professores, mas sim, a de incluir toda comunidade educativa. O que mais me chamou à atenção foi o desenvolvimento das discussões que me serviram de referência para nortear o meu trabalho e as minhas opiniões em torno das atividades previstas no projeto pedagógico. Sem perder de vista a metodologia aplicada, a mediação ajudou para um possível aperfeiçoamento científico, atualizando e organizando os pré-requisitos do contexto universitário, dando-me suporte nas argumentações, com base na leitura de textos oficina de conceitos exibição de vídeos sobre a escravidão no Brasil e sistema de cotas. No ciclo três, o foco dessa orientação foi a aprendizagem de estratégias de leitura e escrita, cujo objetivo da orientadora foi o de incentivar o uso autônomo dessas estratégias. É importante destacar que a professora deixou claro desde o inicio que não se tratava de um ensino transmissivo, no qual iríamos repetir o que ouvimos, e sim a ampliação das práticas de leitura e escrita para variar o repertório de estratégias. Já no quarto ciclo, me aliei às técnicas e estratégias aplicadas ao exercício da memorização. Foi ali que percebi que a memória é uma construção pessoal que cada cursista realiza, graças à ajuda que recebe de outras pessoas. Tendo esta percepção, senti-me motivado a trabalhar em minha escolaalguns exercícios de memorização que permitissem aos alunos lembrar os resultados, responder às perguntas com mais lógica, bem como fazer comparações entre diferentes pontos de vista. Assim, eu estaria refletindo as dificuldades existentes entre minha prática e a forma pela qual os meus alunos não apresentavam informações apropriadas para cada uma das questões. E a partir deste trabalho realizado, pude adotar novas atitudes que favoreceram tanto o meu desempenho, quanto a interpretação dos alunos. Das análises realizadas até o momento com relação ao grupo de orientação, merece destaque a do ciclo cinco, no qual constatei que duas das professoras envolvidas no projeto, manifestaram alteração de visão, tanto acerca do exercício sobre o próprio trabalho, quanto a respeito da própria tomada de decisão diante de seus superiores e de seus subordinados. Essas professoras são Márcia Sales e Margareth Dourado. O interessante foi que ao elaborar meu diário, eu percebi essas características das pessoas citadas. Elas demonstraram prática como facilitadora do exercício, não apenas no sentido de indicar meios positivos para que eu conseguisse algo, mas como resolver a complexidade, transformando-a num processo simples. As orientadoras aplicaram recursos de como tomar distância ou ver de fora o próprio trabalho no que se refere os problemas a serem enfrentados, erros e acertos na execução de uma atividade, pontos frágeis no próprio desempenho, relação entre o planejado e executado, percepção de detalhes do cotidiano das aulas, atuações diferenciadas, busca de soluções e saídas para as atividades e a possibilidade de refazê-las.
>
>
Contudo, percebi que em cada parte que os dados eram jogados, eles corriam e anotavam, com medo de errar. Mas valeu o esforço, pois eu aprendi a trabalhar com situação um pouco desconfortável.
 
Added:
>
>
Em todos os ciclos, eu frisava a minha participação e o desenvolvimento da professora Margareth no grupo de orientação. No ciclo dois, predominou a democracia, as decisões para o andamento foram tomadas pelos seus participantes. O principal sentido da noção de políticas públicas em ação estava associado a propostas de retribuir a uma raça algo que um dia lhe foi tirado e imposto com muita soberania. Essa experiência, unida ao processo que eu tinha vivido, confirmou a idéia de que a escola não pode ser propriedade dos professores, mas sim, a de incluir toda comunidade educativa. O que mais me chamou à atenção foi o desenvolvimento das discussões que me serviram de referência para nortear o meu trabalho e as minhas opiniões em torno das atividades previstas no projeto pedagógico. Sem perder de vista a metodologia aplicada, a mediação ajudou para um possível aperfeiçoamento científico, atualizando e organizando os pré-requisitos do contexto universitário, dando-me suporte nas argumentações, com base na leitura de textos oficina de conceitos exibição de vídeos sobre a escravidão no Brasil e sistema de cotas.
 
Added:
>
>
No ciclo três, o foco dessa orientação foi a aprendizagem de estratégias de leitura e escrita, cujo objetivo da orientadora foi o de incentivar o uso autônomo dessas estratégias. É importante destacar que a professora deixou claro desde o inicio que não se tratava de um ensino transmissivo, no qual iríamos repetir o que ouvimos, e sim a ampliação das práticas de leitura e escrita para variar o repertório de estratégias. Já no quarto ciclo, me aliei às técnicas e estratégias aplicadas ao exercício da memorização. Foi ali que percebi que a memória é uma construção pessoal que cada cursista realiza, graças à ajuda que recebe de outras pessoas. Tendo esta percepção, senti-me motivado a trabalhar em minha escolaalguns exercícios de memorização que permitissem aos alunos lembrar os resultados, responder às perguntas com mais lógica, bem como fazer comparações entre diferentes pontos de vista. Assim, eu estaria refletindo as dificuldades existentes entre minha prática e a forma pela qual os meus alunos não apresentavam informações apropriadas para cada uma das questões. E a partir deste trabalho realizado, pude adotar novas atitudes que favoreceram tanto o meu desempenho, quanto a interpretação dos alunos.
 
Added:
>
>
Das análises realizadas até o momento com relação ao grupo de orientação, merece destaque a do ciclo cinco, no qual constatei que duas das professoras envolvidas no projeto, manifestaram alteração de visão, tanto acerca do exercício sobre o próprio trabalho, quanto a respeito da própria tomada de decisão diante de seus superiores e de seus subordinados. Essas professoras são Márcia Sales e Margareth Dourado. O interessante foi que ao elaborar meu diário, eu percebi essas características das pessoas citadas. Elas demonstraram prática como facilitadora do exercício, não apenas no sentido de indicar meios positivos para que eu conseguisse algo, mas como resolver a complexidade, transformando-a num processo simples.
 
Added:
>
>
As orientadoras aplicaram recursos de como tomar distância ou ver de fora o próprio trabalho no que se refere os problemas a serem enfrentados, erros e acertos na execução de uma atividade, pontos frágeis no próprio desempenho, relação entre o planejado e executado, percepção de detalhes do cotidiano das aulas, atuações diferenciadas, busca de soluções e saídas para as atividades e a possibilidade de refazê-las.
 

Revision 322 Nov 2006 - CecilioSantos

Line: 1 to 1
 
META TOPICPARENT name="AntônioCecílio"

Diário De Ciclo VI

Changed:
<
<
UFBA – Universidade Federal da Bahia FACED – Faculdade de Educação CURSO – Licenciatura em Pedagogia ATIVIDADE – DIÁRIO DE CICLO (SEIS) PROFESSORA/ORIENTADORA – Rúbia Margareth Dourado ALUNOS – Antônio Cecílio
>
>
UFBA - Universidade Federal da Bahia FACED - Faculdade de Educação CURSO- Licenciatura em Pedagogia ATIVIDADE - DIÁRIO DE CICLO (SEIS) PROFESSORA/ORIENTADORA -Rúbia Margareth Dourado ALUNO- Antônio Cecílio
 
Deleted:
<
<
No Programa de Formação Continuada de Professores para o Município de Irecê, pretendi me constituir em uma experiência de prática pedagógica que, exercida em uma dinâmica que foi fundamentada pelo respeito aos processos cotidianos e a valorização plena do sujeito. O projeto/Irecê tem dado uma importante contribuição no sentido de conquistar e firmar a autonomia dos cursistas, criando um clima onde professores e equipe se sintam responsáveis por aquilo que lá acontece, inclusive em relação ao desenvolvimento dos alunos. De certa forma, é o projeto que vai articular, dentro do ambiente de trabalho, a situação conflituosa da descentralização, e através disto permitir argumentos de forma consistente e produtiva com a comunidade e com os órgãos dirigentes. Vale lembrar que toda autonomia é relativa; o discurso sobre ela não pode ser usado para justificar ferimentos sentimentais, nem isolamento. A maior parte dos estudos sobre educação normalmente se relaciona, e de maneira prática à demanda escolar, sobretudo agora, quando um discurso repetitivo compromete todas as vantagens.Daí em diante, o próprio modelo de modernidade apoiada nas concepções enraizada adotou esta idéia de concepção. Os relatórios de hoje parecem fantasiar a educação das primeiras décadas do século XX que se ligava com desenvolvimento e excessividade em tratar os descolarizados como doentes. Por conta disso, tornou-se comum nos encontros de professores, a clara diferença entre aqueles que estão ainda em curso e os já formados há muito tempo. Um choque entre velho e o novo, E o que é pior, os já estabelecidos no mercado de trabalho se “armam” de argumentos, afirmando a necessidade de mudar urgentemente a prática pedagógica. Mas o que fazer? Negar o que se vem fazendo? Rasgar os planos? Queimar os livros? Este Diário de Ciclo visa a integrar as atividades e os projetos desenvolvidos na minha prática pedagógica. Pretendo, ainda me apoiar em um processo de intervenção profunda e coletiva nas práticas cotidianas como professor, no interior de cada escola que trabalhei. Sei que é importante a elaboração dos planos em ação, através de uma reflexão conjunta com os alunos e demais envolvidos, para que a escola possa nortear seu trabalho e, assim, cumprir suas finalidades. Acerca disso, vejo que é preciso que os gestores tenham consciência de que a as relações humanas dentro da escola devem visar sempre o bem estar de todos os envolvidos no processo ensino-aprendizagem, para garantir um ensino com qualidade. Quando isto não ocorre o processo fica prejudicado, como aconteceu comigo na execução de algumas atividades, colaborando assim para que a eu não alcance as finalidades pretendidas. Muito se fala sobre a participação ativa do professor dentro do ambiente escolar, com tomadas de decisão acima do Diretor da escola, porém na prática não é esta a realidade da maioria das escolas. È um processo complicado, já que o acesso as tecnologias estão presentes no nosso dia-a-dia, e que ainda hoje existam professores analfabetos neste país, no ponto de vista de avaliar a si mesmo ou os outros com que trabalha. Nessa caminhada, para mim, o ato de avaliar não implicou somente na aprovação ou reprovação do educando, mas sim orientação permanente para o meu desenvolvimento, tendo em vista tornar-me o que o meu “SER” pede. Todavia, foi preciso que eu tivesse cada vez mais acesso em como utilizar novas tecnologias no meu dia-a-dia, para que eu me sentisse seguro, ao transmitir aos alunos confiança e fazendo com que todos participassem ativamente das aulas com atividades orientadas. Mas os fatos se tornaram um pouco difícil, pois nem sempre o que eu planejei, os alunos cumpriram, mesmo eu dando idéias e sugerindos atividades diferentes. Mas tenho esperança qu esse quadro se reverte. Em meio a tudo isso, me apeguei muito ao desenvolvimento de atitudes favoráveis, diante do uso das tecnologias na educação, como elementos fundamental de diferentes possibilidades de formação dos cidadãos do mundo contemporâneo, praticando o processo de ensino e aprendizagem voltado para a busca, análise e tratamento de informações. Uma prova disso, foi o GEAC de Tecnologia e Práticas Pedagógicas, no qual estudei e aprofundei os conceitos de comunidades virtuais e interatividade. Com relação ao primeiro tema, eu percebi que existem alguns empecilhos que atrapalham na subsistência de um certo grupo. Vi que o grande desafio está na criação de artifícios que aproximam os alunos do mundo digital e, que outro ponto de dificuldade está na discussão de temas que tratam do interesse dos leitores e participantes dessa comunidade, que as vezes, não sabem nem entendem a linguagem virtual. Com isso, vejo que não é simples manter uma comunidade virtual, na qual existem pessoas que mal se conhecem. Já a interatividade apresenta característica de envolvimento público. A respeito desse tema estudado, me senti neutralizado, sem saber como inserir meus alunos num processo de conhecimento das tecnologias. Mas, visando a facilidade de procedimento e a transmissão de aprendizagem utilizada em novos campos, pensei em criar e-mails para eles. Só depois daí, os coloquei em contato com as informações apropriadas referentes ao objeto de estudo. No meu caso, a matéria de história. Vale salientar que dentro desse projeto, o primeiro aspecto diz respeito ao fato da simples navegação, num universo de conhecimento com o micro, o mouse, e com outras ferramentas. Confesso que não foi preciso uma aprendizagem efetiva por parte dos alunos, fazendo-se necessário da parte deles um envolvimento nas atividades e tarefas. O segundo aspecto se refere ao domínio pela parte dos alunos dentro dos ambientes colaborativos, colocando suas estratégias de aprendizagem a partir da capacidade de aprender a aprender, através de pesquisas, da interação e construção partilhada e conjunta do conhecimento. Para a construção do projeto, dentro das novas tecnologias, nem tudo ocorreu às mil maravilhas. Alguns fatores dificultaram o processo. O transporte por exemplo, foi o fator que nós (alunos e professores) sentimos mais resistência em adquirir. A Secretaria de Educação não o disponibilizou nenhuma vez, inviabilizando a nossa trajetória para o Tabuleiro Digital. Mesmo assim, fomos a pé, demonstrando vontade de dar abertura àquele plano em ação. Ai poderia surgir a seguinte pergunta: O que você fez para superar essa dificuldade? De início, enviei ofício a direção da escola, solicitando o transporte escolar, esta por sua vez, envia ofício à Secretaria Municipal de Educação, e esta por sua vez, envia o ofício à Secretaria de Transporte, também pedindo o referido. Mas devido a burocracia, nada foi conseguido. Diante disso, fiquei preocupado, e ao mesmo tempo com medo que esse plano de ação se esfriasse, por conta da falta de apoio que não tive por parte dos meus superiores, e caisse no esquecimento, na desilusão, vendo depois, acabar tudo aquilo que foi feito com intuito de reforçar as técnicas virtuais. Ver projeto, relatório das atividades e análise dos alunos em anexo I. Outro aspecto que contribuiu com a minha prática pedagógica, foi Atividade 525 "Um encontro comamatemática". Nela, estudei a matemática enquanto ciência e, sua importância para o desenvolvimento do raciocínio lógico. Fiz reflexão sobre a necessidade do entendimento da presença da matemática no cotidiano,percebi que é sempre possível, pois sua finalidade parte para desmistificar sua incompreensão. Na visão da maioria dos estudiosos nesta área, o desenvolvimento do estudante está muito abaixo do esperado. Porém, de forma muito triste, eu vejo essa visão ser confirmada nas escolas; isso por causa dos modelos de avaliação, aos quais os métodos de ensino têm sujeitado os alunos. Foi a partir dessa constatação, e também com base nos aspectos abordados na oficina de matemática, que eu pensei sobre as seguintes questões: qual o papel da matemática na formação dos alunos que estudam o ensino fundamental? Em que medida o que estamos ensinando em sala de aula é coerente com esse papel? O que precisa ser modificado em nossa prática para que a matemática venha cumprir esse papel? Eu sempre soube que estas questões são essenciais para o estudo da matemática. Só que eu não percebia a importância desse papel, tanto no início, quanto no decorrer da aprendizagem. Na verdade eu sempre deixava para depois. Creio também, que para contemplar as indagações acima citadas, tive que realizar exercícios que estimulassem o cálculo mental dos meus alunos, e que eles pudessem operar, também, com a calculadora. Esses procedimentos foram vantajosos porque foram colocados de maneira bem prática, pois contribuíram no desenvolvimento do raciocínio, nas percepções dos padrões numéricos, nas avaliações dos preços e valores, bem como entender os conceitos matemáticos. Mais do que cálculos, a matemática é imaginação. Para calcular hoje em dia, existem as máquinas. O mais importante no trabalho matemático é o raciocínio, a capacidade de resolver problemas e usar as idéias para explorar as situações mais diversas. Os relevantes não são apenas os cálculos, e sim, saber o que fazer com eles. Para isso, é fundamental o sentido dos números e o espírito crítico com relação aos resultados. E tudo isso foi comprovado no plano de ação que desenvolvi com alunos de terceiro ciclo. Nele, os alunos passaram a conhecer, um pouco, a matemática que ensino, entenderam as características do meu trabalho e perceberam que o papel do professor é de despertar uma criatividade pedagógica aliada à matemática. Ver plano em ação, interpretação de resultados do mesmo em anexo II. Em todos os ciclos, eu frisava a minha participação e o desenvolvimento da professora Margareth no grupo de orientação. No ciclo dois, predominou a democracia, as decisões para o andamento foram tomadas pelos seus participantes. O principal sentido da noção de políticas públicas em ação estava associado a propostas de retribuir a uma raça algo que um dia lhe foi tirado e imposto com muita soberania. Essa experiência, unida ao processo que eu tinha vivido, confirmou a idéia de que a escola não pode ser propriedade dos professores, mas sim, a de incluir toda comunidade educativa. O que mais me chamou à atenção foi o desenvolvimento das discussões que me serviram de referência para nortear o meu trabalho e as minhas opiniões em torno das atividades previstas no projeto pedagógico. Sem perder de vista a metodologia aplicada, a mediação ajudou para um possível aperfeiçoamento científico, atualizando e organizando os pré-requisitos do contexto universitário, dando-me suporte nas argumentações, com base na leitura de textos – oficina de conceitos – exibição de vídeos sobre a escravidão no Brasil e sistema de cotas. No ciclo três, o foco dessa orientação foi a aprendizagem de estratégias de leitura e escrita, cujo objetivo da orientadora foi o de incentivar o uso autônomo dessas estratégias. É importante destacar que a professora deixou claro desde o inicio que não se tratava de um ensino transmissivo, no qual iríamos repetir o que ouvimos, e sim a ampliação das práticas de leitura e escrita para variar o repertório de estratégias. Já no quarto ciclo, me aliei às técnicas e estratégias aplicadas ao exercício da memorização. Foi ali que percebi que a memória é uma construção pessoal que cada cursista realiza, graças à ajuda que recebe de outras pessoas. Tendo esta percepção, senti-me motivado a trabalhar em “minha escola” alguns exercícios de memorização que permitissem aos alunos lembrar os resultados, responder às perguntas com mais lógica, bem como fazer comparações entre diferentes pontos de vista. Assim, eu estaria refletindo as dificuldades existentes entre minha prática e a forma pela qual os meus alunos não apresentavam informações apropriadas para cada uma das questões. E a partir deste trabalho realizado, pude adotar novas atitudes que favoreceram tanto o meu desempenho, quanto a interpretação dos alunos. Das análises realizadas até o momento com relação ao grupo de orientação, merece destaque a do ciclo cinco, no qual constatei que duas das professoras envolvidas no projeto, manifestaram alteração de visão, tanto acerca do exercício sobre o próprio trabalho, quanto a respeito da própria tomada de decisão diante de seus superiores e de seus subordinados. Essas professoras são Márcia Sales e Margareth Dourado. O interessante foi que ao elaborar meu diário, eu percebi essas características das pessoas citadas. Elas demonstraram prática como facilitadora do exercício, não apenas no sentido de indicar meios positivos para que eu conseguisse algo, mas como resolver a complexidade, transformando-a num processo simples. As orientadoras aplicaram recursos de como tomar distância ou ver de fora o próprio trabalho no que se refere os problemas a serem enfrentados, erros e acertos na execução de uma atividade, pontos frágeis no próprio desempenho, relação entre o planejado e executado, percepção de detalhes do cotidiano das aulas, atuações diferenciadas, busca de soluções e saídas para as atividades e a possibilidade de refazê-las.

ANEXO I

Este projeto faz parte do GEAC “ Tecnologia e Práticas Pedagógicas” - da Atividade 516.

PLANO EM AÇÃO

ORIENTAÇÃO
Bonila

MONITOR
Antônio Cecílio

TEMA
Ambientes Colaborativos

FINALIDADE
Criar novas formas de interação pedagógica em contexto de sala de aula, promovendo a aprendizagem cooperativa, auto-regulada, e redes de comunicação mais próximas dos alunos, em busca da adaptação da escola à sociedade e às suas formas de construir o conhecimento, produzindo e desenvolvendo meios que qualifiquem as produções dos alunos.
 
Deleted:
<
<
OBJETIVOS ESPECÍFICOS: Nesse contexto, espero que os alunos possam perceber os passos para criar e-mails; saber usá-los na sua formação, tendo como suporte as informações comentadas, bem como refletir sobre as problemáticas decorrentes das novas abordagens em aula , particularmente nos temas de História; emitir suas opiniões nos ambientes de aprendizagem, assim como fazer cadastros nos mesmos.Utilizar a Internet como meio de produção colaborativa; Pesquisar temas específicos e / ou espontâneos.
 
Deleted:
<
<
ESTRATÉGIAS
Produção de ofício para agendamento e liberação do tabuleiro digital;
exposição dialogada com os alunos participantes acerca da criação de e-mail; criação do login e da senha, individualmente; criação de lista de discussão; utilização do blog como fonte de publicação textual; debate na sala de aula sobre os comentários de cada colega; exposição dialogada sobre os tópicos de criação de um blog, tanto individual quanto coletivo, para uso cooperativo dos textos produzidos pelos alunos e pelo professor; - http://www.historiaodete.zip.net; analisar relatórios dos alunos.
 
Deleted:
<
<
RECURSOS HUMANOS: Professor , alunos , direção, agentes do ponto de cultura, coordenação do ponto de cultura, professora Maria Bonila.

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO: Elaborar instrumentos para registrar observações sobre os alunos, criando fichas para o mapeamento do desenvolvimento e atitudes que incluem questões, como: faz perguntas? Usa estratégias criativas ou apenas as convencionais? justifica caminhos percorridos? Comunica suas respostas com clareza? Contesta pontos que não compreendeu? Participa dos trabalhos em grupo? Ajuda os outros na resolução de problemas?

INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO : Debate através de chats sobre os temas específicos da matéria (História); debate através de chats sobre o uso das ferramentas tecnológicas; participação na lista de discussão; publicação dos relatórios no blog, bem como comentários reflexivos sobre os mesmos. RELATÓRIO DO PROJETO - AMBIENTES COLABORATIVOS No primeiro momento houve uma certa conturbação por conta da conexão que caiu, ficando impossível de acessar a internet, bem como criar e-mails para os alunos. Mas a situação foi controlada, e os alunos ficaram fazendo outra coisa no computador. Aí já foi o primeiro contato deles com as máquínas. Nesta situação, eles foram perdendo o medo de ficar de frente com o micro, o chamado “bicho de sete cabeças”, expressão usada para demonstrar as dificuldades diante de algo. Mesmo com a pouca oportunidade que eles tiveram, alguns acharam importante, pelo o fato de se comunicarem com outras pessoas, ainda que distantes,umas das outros. Também perceberam que foi um motivo a mais para não perderem as aulas de História. Porém, nem tudo ocorreu às mil maravilhas, muitos reclamaram do tempo e da falta de computadores próprios. (Antônio Cecílio - monitor)

ALUNOS DA 1ªFASE -A

Adorei ter ido ao Tabuleiro Digital, foi um momento importantíssimo para todos, pois aprendemos muito sobre informática, ou seja, foi um momento importante onde todos os colegas criaram endereços de E-mail, MSN, etc. Sem contar que a informática, hoje, faz parte do nosso cotidiano, devemos ter pelo menos um mínimo de noção para manusear o computador que é uma ferramenta imprescindível para qualquer estudante.(MÓRGANS ÁLLISON) Foi muito difícil porque quando chegamos lá a conexão caiu ai ficamos esperando o professor achar um jeito para que nós pudéssemos fazer o nosso e-mail ai o professor levou todos para fazer no laboratório depois disso foi moleza não demoramos muito e fizemos nosso e-mail, gostei muito.(SONIA MARIA DA SILVA) Pra mim foi ótimo, eu já tinha e-mail e prática para ajudar os meus colegas a desenvolver a capacidade de criar e-mails.(ANDRÉ RICARDO) Professor eu gostei de fazer meu e-mail mas não estudei quase nada, primeiro por que não sei trabalhar com o computador, gostaria de aprender mais e entender o que significa.(LUIZA) Como o professor falou o primeiro momento foi de raiva mais amei, o segundo momento fiquei muito interessada para aprender, como sua uma menina muito ocupada e não tenho condições de pagar meu curso, mas mesmo assim vou lutar para aprender não hoje e nem amanhã, um dia quem sabe!(AURICÉLIA) Eu sei que o professor é muito cheio de coisa, porque ele quando começou as aulas inventou um tal de e-mail que nós não vamos dá nada por isso, gostaria que falasse mais sobre história, sobre o homens e os convívios antigos.. (EDENILSON) Professor eu não fui por que eu entrei ontem, mais eu gostaria de ter ido para eu entende mais sobre o E-mail, porque eu gostaria de ter meu próprio e-mail para poder bater papo com outros internautas, não foi desta vez, mais possa ir da outra vez. Professor eu gostei muito da sua aula porque você explica e eu entendo, gostei do seu jeito,eu espero que você goste do meu jeito também, e mim ajude porque eu preciso muito da ajuda doa professores ok. Espero que você tem muita paciência comigo seje sempre assim realista e verdadeiro, porque assim você vai longe.(Wandra Santos Alexandre) Discussão a cerca dos e-mail.bem sobre a criação do e-mail eu acho que foi importante porque foi um aprendizado a mais eu só acho que teria que ser com um pouco mais de tempo porque faltou um pouco mais de explicação para quem não tinha conhecimento divido a quantidade de pessoas e a quantidade de computadores não foi bem explicado então ficou algumas duvidas sobre como acessa o e-mail.(Pedro Alvez ) Relatório sobre a criação de e-mail nas formas fazer o e-mail. Na primeira vez que nos íamos o céu estava escuro para chover. Não fomos. Outro dia nos fomos quando chegamos lá os computadores caiu a conexão mesmo assim foi bom. Pouco difícil mas conseguimos não no tabuleiro mais sim no escritório.fez o meu e-mail. Mim atrapalhei toda mais aprendi algumas coisas adorei nu tabuleiro. Gostaria de ir lá outra vez só tenho tempo a noite.( Marlete p.gomes ) Prof.. achei tudo legal por que deu p/ mim aprender como se meche nas tecla do computador dois dias que participei foi super legal apesar da enrola que teve no primeiro dia fiquei muito triste e com raiva do senhor que fes andar essa lonjura toda pra chegar lá e ta fora do sistema mais depois quando cheguei em casa pude perceber que o senhor não teve culpa depois que vi seu esforço fiquei feliz por ver sua atenção foi mais um motivo pra não perder sua aula.....( Renato Amorim da silva ) Meu primeiro dia de criação de e-mail. No primeiro dia não foi fusível; pelo o fato dos computadores não estarem em conexão voltamos no aspecto do conhecimento. Segundo dia do tabuleiro quase não seria possível mais uma vez mais o professor, conseguil um espaço ufiba. Para que posse realizar os e-mail esperados. Só que não que não esperei até o final. Mas justifiquei o professor, no dia seguinte. Fiquei sabendo com os colegas, que foi maravilhoso o conhecimento com o computador. Espero outra oportunidade se possível.( Delmaoliveira@yahoo.com.br ) Eu fui as duas vazes e estava muito empolgada para fazer o meu e-mail mais quando nós chegamos lá estava tudo fora do ar vir que você se empenho se bastante e conseguiu. Mais não dava para todos de uma só vez e a mesma que estava comigo não quis esperar pois ela achou que não iria dar tempo para todos abrir seu e-mail mais espero que a próxima vez consiga.( Nilda Pedro da silva ) Eu fui na primeira vez. Eu estava com muita vontade de criar meu e-mail. Mais não foi possível pois o computador caiu a conexão. Eu fiquei muito triste.( Elisângela o silva ) O e-mail é importante e também legal Só tem um problema que eu nuca tive contato com o computador. A primeira vez eu não gostei muito porque saiu toda caiu mais na ultima vez foi legal os computadores todos bons e aquele cara que estava lá ensinando a nos como se criava um e-mail mais eu achei bom te aceso com o mundo todo legal.( Erielton R. santos ) Não achei nada bom, perdi a viagem duas vezes e não consegui fazer o e-mail porque os computadores não estava no ar. Não gostei das aulas de e-mail.( José Gonçalves ) Daquele dia não foi possível criar o e-mail porque o sistema saiu do ar depois dia 18 de abril não gostei porque não fez nada só fez o meu e-mail a internet nos ajudou na comunicação através do Antonio Cecílio nos ajudou na criação do e-mail onde preciso de nossos dados pessoais baseados no computador. (Danilo santos da Crus). Eu entendi que a internet nos ajudou na comunicação através de e-mail. 11 de abril de 2006, o professor Antonio nos ajudou na criação do e-mail. Onde precisou dos nossos dados pessoais armazenados no computador e precioso da senha isso foi bom..Aluna (MICHELE). Bom, no momento que mais íamos fazer o e-mail, no começo saiu muito bom, Começa a preencher o que se pediu, mas quando eu estava bem, o sistema caiu.( Josimar silva pereira ) Professor Cecílio eu sentir dificuldade em entender as suas letras mas eu gostei muito da sua aula pois você esclarece muito bem... . ( Elizabete batista bezerra )

 

Added:
>
>
DIÁRIO DE CICLO VI
 
Added:
>
>
UFBA/IRECÊ-BA
 
Line: 112 to 29
 
Added:
>
>
IRECÊ, DEZEMBRO DE 2006
 
Added:
>
>
Experiências no Curso de Pedagogia No Programa de Formação Continuada de Professores para o Município de Irecê, pretendi me constituir em uma experiência de prática pedagógica que, exercida em uma dinâmica que foi fundamentada pelo respeito aos processos cotidianos e a valorização plena do sujeito. O projeto/Irecê tem dado uma importante contribuição no sentido de conquistar e firmar a autonomia dos cursistas, criando um clima onde professores e equipe se sintam responsáveis por aquilo que lá acontece, inclusive em relação ao desenvolvimento dos alunos. De certa forma, é o projeto que vai articular, dentro do ambiente de trabalho, a situação conflituosa da descentralização, e através disto permitir argumentos de forma consistente e produtiva com a comunidade e com os órgãos dirigentes. Vale lembrar que toda autonomia é relativa; o discurso sobre ela não pode ser usado para justificar ferimentos sentimentais, nem isolamento. A maior parte dos estudos sobre educação normalmente se relaciona, e de maneira prática à demanda escolar, sobretudo agora, quando um discurso repetitivo compromete todas as vantagens.Daí em diante, o próprio modelo de modernidade apoiada nas concepções enraizada adotou esta idéia de concepção. Os relatórios de hoje parecem fantasiar a educação das primeiras décadas do século XX que se ligava com desenvolvimento e excessividade em tratar os descolarizados como doentes. Por conta disso, tornou-se comum nos encontros de professores, a clara diferença entre aqueles que estão ainda em curso e os já formados há muito tempo. Um choque entre velho e o novo, E o que é pior, os já estabelecidos no mercado de trabalho se armam de argumentos, afirmando a necessidade de mudar urgentemente a prática pedagógica. Mas o que fazer? Negar o que se vem fazendo? Rasgar os planos? Queimar os livros? Este Diário de Ciclo visa a integrar as atividades e os projetos desenvolvidos na minha prática pedagógica. Pretendo, ainda me apoiar em um processo de intervenção profunda e coletiva nas práticas cotidianas como professor, no interior de cada escola que trabalhei. Sei que é importante a elaboração dos planos em ação, através de uma reflexão conjunta com os alunos e demais envolvidos, para que a escola possa nortear seu trabalho e, assim, cumprir suas finalidades. Acerca disso, vejo que é preciso que os gestores tenham consciência de que a as relações humanas dentro da escola devem visar sempre o bem estar de todos os envolvidos no processo ensino-aprendizagem, para garantir um ensino com qualidade. Quando isto não ocorre o processo fica prejudicado, como aconteceu comigo na execução de algumas atividades, colaborando assim para que a eu não alcance as finalidades pretendidas. Muito se fala sobre a participação ativa do professor dentro do ambiente escolar, com tomadas de decisão acima do Diretor da escola, porém na prática não é esta a realidade da maioria das escolas. È um processo complicado, já que o acesso as tecnologias estão presentes no nosso dia-a-dia, e que ainda hoje existam professores analfabetos neste país, no ponto de vista de avaliar a si mesmo ou os outros com que trabalha. Nessa caminhada, para mim, o ato de avaliar não implicou somente na aprovação ou reprovação do educando, mas sim orientação permanente para o meu desenvolvimento, tendo em vista tornar-me o que o meu pede. Todavia, foi preciso que eu tivesse cada vez mais acesso em como utilizar novas tecnologias no meu dia-a-dia, para que eu me sentisse seguro, ao transmitir aos alunos confiança e fazendo com que todos participassem ativamente das aulas com atividades orientadas. Mas os fatos se tornaram um pouco difícil, pois nem sempre o que eu planejei, os alunos cumpriram, mesmo eu dando idéias e sugerindos atividades diferentes. Mas tenho esperança qu esse quadro se reverte. Em meio a tudo isso, me apeguei muito ao desenvolvimento de atitudes favoráveis, diante do uso das tecnologias na educação, como elementos fundamentais de diferentes possibilidades de formação dos cidadãos do mundo contemporâneo, praticando o processo de ensino e aprendizagem voltado para a busca, análise e tratamento de informações. Uma prova disso, foi o GEAC de Tecnologia e Práticas Pedagógicas, no qual estudei e aprofundei os conceitos de comunidades virtuais e interatividade. Com relação ao primeiro tema, eu percebi que existem alguns empecilhos que atrapalham na subsistência de um certo grupo. Vi que o grande desafio está na criação de artifícios que aproximam os alunos do mundo digital e, que outro ponto de dificuldade está na discussão de temas que tratam do interesse dos leitores e participantes dessa comunidade, que as vezes, não sabem nem entendem a linguagem virtual. Com isso, vejo que não é simples manter uma comunidade virtual, na qual existem pessoas que mal se conhecem. Já a interatividade apresenta característica de envolvimento público. A respeito desse tema estudado, me senti neutralizado, sem saber como inserir meus alunos num processo de conhecimento das tecnologias. Mas, visando a facilidade de procedimento e a transmissão de aprendizagem utilizada em novos campos, pensei em criar e-mails para eles. Só depois daí, os coloquei em contato com as informações apropriadas referentes ao objeto de estudo. No meu caso, a matéria de história. Vale salientar que dentro desse projeto, o primeiro aspecto diz respeito ao fato da simples navegação, num universo de conhecimento com o micro, o mouse, e com outras ferramentas. Confesso que não foi preciso uma aprendizagem efetiva por parte dos alunos, fazendo-se necessário da parte deles um envolvimento nas atividades e tarefas. O segundo aspecto se refere ao domínio pela parte dos alunos dentro dos ambientes colaborativos, colocando suas estratégias de aprendizagem a partir da capacidade de aprender a aprender, através de pesquisas, da interação e construção partilhada e conjunta do conhecimento. Para a construção do projeto, dentro das novas tecnologias, nem tudo ocorreu às mil maravilhas. Alguns fatores dificultaram o processo. O transporte por exemplo, foi o fator que nós (alunos e professores) sentimos mais resistência em adquirir. A Secretaria de Educação não o disponibilizou nenhuma vez, inviabilizando a nossa trajetória para o Tabuleiro Digital. Mesmo assim, fomos a pé, demonstrando vontade de dar abertura àquele plano em ação. Ai poderia surgir a seguinte pergunta: O que você fez para superar essa dificuldade? De início, enviei ofício a direção da escola, solicitando o transporte escolar, esta por sua vez, envia ofício à Secretaria Municipal de Educação, e esta por sua vez, envia o ofício à Secretaria de Transporte, também pedindo o referido. Mas devido a burocracia, nada foi conseguido. Diante disso, fiquei preocupado, e ao mesmo tempo com medo que esse plano de ação se esfriasse, por conta da falta de apoio que não tive por parte dos meus superiores, e caisse no esquecimento, na desilusão, vendo depois, acabar tudo aquilo que foi feito com intuito de reforçar as técnicas virtuais.
 
Added:
>
>
Nesse contexto, desenvolvi várias situaçõespara que os alunos percebessem os passos para criar e-mails; saber usá-los na sua formação, tendo como suporte as informações comentadas, bem como refletir sobre as problemáticas decorrentes das novas abordagens em aula , particularmente nos temas de História; emitir suas opiniões nos ambientes de aprendizagem, assim como fazer cadastros nos mesmos.Utilizar a Internet como meio de produção colaborativa; Pesquisar temas específicos e / ou espontâneos. No primeiro momento houve uma certa conturbação por conta da conexão que caiu, ficando impossível de acessar a internet, bem como criar e-mails para os alunos. Mas a situação foi controlada, e os alunos ficaram fazendo outra “cousa” no computador. Aí já foi o primeiro contato deles com as máquínas. Nesta situação, eles foram perdendo o medo de ficar de frente com o micro, o chamado “bicho de sete cabeças”; expressão usada para demonstrar as dificuldades diante de algo. Mesmo com a pouca oportunidade que eles tiveram, alguns acharam importante, pelo o fato de se comunicarem com outras pessoas, ainda que distantes,umas das outros. Também perceberam que foi um motivo a mais para não perderem as aulas de História. Porém, nem tudo ocorreu às mil maravilhas, muitos reclamaram do tempo e da falta de de recursos para comprar seus próprios computadores. Outro aspecto que contribuiu com a minha prática pedagógica, foi a Atividade 525 "Um encontro com a matemática". Nela, estudei a matemática enquanto ciência e, sua importância para o desenvolvimento do raciocínio lógico. Fiz reflexão sobre a necessidade do entendimento da presença da matemática no cotidiano, percebi que isso é sempre possível, pois sua finalidade é desmistificar sua incompreensão. Na visão da maioria dos estudiosos nesta área, o desenvolvimento do estudante está muito abaixo do esperado. Porém, de forma muito triste, eu vejo essa visão ser confirmada nas escolas; isso por causa dos modelos de avaliação, aos quais os métodos de ensino têm sujeitado os alunos. Foi a partir dessa constatação, e também com base nos aspectos abordados na oficina de matemática, que eu pensei sobre as seguintes questões: qual o papel da matemática na formação dos alunos que estudam o ensino fundamental? Em que medida o que estamos ensinando em sala de aula é coerente com esse papel? O que precisa ser modificado em nossa prática para que a matemática venha cumprir esse papel? Eu sempre soube que estas questões são essenciais para o estudo da matemática. Só que eu não percebia a importância desse papel, tanto no início, quanto no decorrer da aprendizagem. Na verdade eu sempre deixava para depois. Creio também, que para contemplar as indagações acima citadas, tive que realizar exercícios que estimulassem o cálculo mental dos meus alunos, e que eles pudessem operar, também, com a calculadora. Esses procedimentos foram vantajosos porque foram colocados de maneira bem prática, pois contribuíram no desenvolvimento do raciocínio, nas percepções dos padrões numéricos, nas avaliações dos preços e valores, bem como entender os conceitos matemáticos. Mais do que cálculos, a matemática é imaginação. Para calcular hoje em dia, existem as máquinas. O mais importante no trabalho matemático é o raciocínio, a capacidade de resolver problemas e usar as idéias para explorar as situações mais diversas. Os relevantes não são apenas os cálculos, e sim, saber o que fazer com eles. Para isso, é fundamental o sentido dos números e o espírito crítico com relação aos resultados. E tudo isso foi comprovado no plano de ação que desenvolvi com alunos de terceiro ciclo. Nele, os alunos passaram a conhecer, um pouco, a matemática que ensino, entenderam as características do meu trabalho e perceberam que o papel do professor é de despertar uma criatividade pedagógica aliada à matemática. Como o plano de ação tratava da utilidade do ábaco, vi que além de ser útil no processo das operações matemáticas, ele ajuda os alunos na percepção e na importância do “vai um” ou do “toma um emprestado”. Por isso resolvi aplicá-lo como objeto de estudo, aprimorando a técnica de cálculos dos alunos, bem como na compreensão do sistema decimal. Nessas condições, os alunos resolveram desafios envolvendo adição e subtração; discutiram a idéia do famoso empresta um; compreenderam o sistema decimal; explicitaram o próprio raciocínio, procurando compreender o pensamento do colega. Trabalhei com o ábaco numa sala de quinta série, composta de 30 alunos. Articulei a proposta de trabalho para os alunos, dividindo-os em três grupos de dez, apresentando o ábaco para eles, e fazendo algumas demonstrações com o uso do dado para complementação da atividade. Em seguida, expliquei o porquê do “vai um” e do “toma um emprestado” . Falei que não poderia passar de dez, usando o ábaco. Logo depois, propus alguns problemas envolvendo a adição e a subtração; e aí além da idéia do “vai um” criou-se também a do “toma um emprestado”. Nesta atividade, o ábaco também ajudou na posição do sistema decimal. Vários desafios foram lançados para os alunos responderem. Mas em determinada situação, eles se confundiam ao demonstrar o próprio raciocínio. Entender o pensamento dos colegas, foi algo que deixou os alunos tímidos na apresentação do referido tema. Isso foi muito difícil no desenvolvimento da atividade. Os objetivos propostos não foram completamente alcançados por conta do descaso de alguns alunos. Não sei se faltou mais incentivo de minha parte ou se foi falta de vontade deles por não terem conhecimento do objeto estudado. Porém, confesso que alguns acharam o ábaco um instrumento sem valor conceitual. No entanto, para eles, fazer cálculos mecanicamente, era melhor. Respeitei as idéias deles, e procurei outra forma de dinamizar a aula. Todavia, eu percebi que em cada parte que os dados eram jogados, eles corriam e anotavam, com medo de errar. Mas valeu o esforço, pois eu aprendi a trabalhar com situação um pouco desconfortável.
 
Added:
>
>
Em todos os ciclos, eu frisava a minha participação e o desenvolvimento da professora Margareth no grupo de orientação. No ciclo dois, predominou a democracia, as decisões para o andamento foram tomadas pelos seus participantes. O principal sentido da noção de políticas públicas em ação estava associado a propostas de retribuir a uma raça algo que um dia lhe foi tirado e imposto com muita soberania. Essa experiência, unida ao processo que eu tinha vivido, confirmou a idéia de que a escola não pode ser propriedade dos professores, mas sim, a de incluir toda comunidade educativa. O que mais me chamou à atenção foi o desenvolvimento das discussões que me serviram de referência para nortear o meu trabalho e as minhas opiniões em torno das atividades previstas no projeto pedagógico. Sem perder de vista a metodologia aplicada, a mediação ajudou para um possível aperfeiçoamento científico, atualizando e organizando os pré-requisitos do contexto universitário, dando-me suporte nas argumentações, com base na leitura de textos oficina de conceitos exibição de vídeos sobre a escravidão no Brasil e sistema de cotas. No ciclo três, o foco dessa orientação foi a aprendizagem de estratégias de leitura e escrita, cujo objetivo da orientadora foi o de incentivar o uso autônomo dessas estratégias. É importante destacar que a professora deixou claro desde o inicio que não se tratava de um ensino transmissivo, no qual iríamos repetir o que ouvimos, e sim a ampliação das práticas de leitura e escrita para variar o repertório de estratégias. Já no quarto ciclo, me aliei às técnicas e estratégias aplicadas ao exercício da memorização. Foi ali que percebi que a memória é uma construção pessoal que cada cursista realiza, graças à ajuda que recebe de outras pessoas. Tendo esta percepção, senti-me motivado a trabalhar em minha escolaalguns exercícios de memorização que permitissem aos alunos lembrar os resultados, responder às perguntas com mais lógica, bem como fazer comparações entre diferentes pontos de vista. Assim, eu estaria refletindo as dificuldades existentes entre minha prática e a forma pela qual os meus alunos não apresentavam informações apropriadas para cada uma das questões. E a partir deste trabalho realizado, pude adotar novas atitudes que favoreceram tanto o meu desempenho, quanto a interpretação dos alunos. Das análises realizadas até o momento com relação ao grupo de orientação, merece destaque a do ciclo cinco, no qual constatei que duas das professoras envolvidas no projeto, manifestaram alteração de visão, tanto acerca do exercício sobre o próprio trabalho, quanto a respeito da própria tomada de decisão diante de seus superiores e de seus subordinados. Essas professoras são Márcia Sales e Margareth Dourado. O interessante foi que ao elaborar meu diário, eu percebi essas características das pessoas citadas. Elas demonstraram prática como facilitadora do exercício, não apenas no sentido de indicar meios positivos para que eu conseguisse algo, mas como resolver a complexidade, transformando-a num processo simples. As orientadoras aplicaram recursos de como tomar distância ou ver de fora o próprio trabalho no que se refere os problemas a serem enfrentados, erros e acertos na execução de uma atividade, pontos frágeis no próprio desempenho, relação entre o planejado e executado, percepção de detalhes do cotidiano das aulas, atuações diferenciadas, busca de soluções e saídas para as atividades e a possibilidade de refazê-las.
 

Deleted:
<
<
ANEXO II
 
Deleted:
<
<
PLANO EM AÇÃO ATIVIDADE 525 UM ENCONTRO COM A MATEMÁTICA
 
Deleted:
<
<
Tema
Nunca dez (Ábaco)
 
Deleted:
<
<
Finalidade
O ábaco além de ser útil no processo das operações matemáticas, ajuda aos alunos na percepção e na importância do “vai um” ou do “toma um emprestado”. Por isso resolvi aplicá-lo como objeto de estudo, aprimorando a técnica de cálculos dos alunos, bem na compreensão do sistema decimal.
 
Deleted:
<
<
Objetivos específicos: Resolver desafios envolvendo adição e subtração; discutir a idéia do famoso “empresta um” ; compreender o sistema decimal; saber explicitar o próprio raciocínio, procurando compreender o pensamento do colega.
 
Deleted:
<
<
Estratégias matemáticas: Articulação da proposta; estímulo da autonomia do aluno; resolução d problemas; descrição do cálculo mental.
 
Deleted:
<
<
Materiais necessários Ábaco, fichas, papel-metro; pincel atômico.
 
Deleted:
<
<
Avaliação: A avaliação acontecerá por meio da compeensão dos conceitos matemáticos, aproveitando a criatividade dos alunos, bem como na possibilidade de enfrentar situação-problemas e resolvê-las.
 
Deleted:
<
<
INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DA AULA Trabalhei com o ábaco numa sala de quinta série, composta de 30 alunos. Articulei a proposta de trabalho para os alunos, dividindo-os em três grupos de dez, apresentando o ábaco para eles, e fazendo algumas demonstrações com o uso do dado para complementação da atividade. Em seguida, expliquei o porquê do “vai um” e do “toma um emprestado”. Falei que não poderia passar de dez, usando o ábaco. Logo depois, propus alguns problemas envolvendo a adição e a subtração; e aí eles de vez a idéia do “vai um” e do “toma um emprestado”. Nesta atividade, o ábaco também ajudou na posição do sistema decimal. Vários desafios foram lançados para os alunos responderem. Mas em determinada situação, eles não sabiam explicitar o próprio raciocínio. Entender o pensamento dos colegas, foi o que deixou os alunos do de expressar o referido tema. Isso foi muito difícil no desenvolvimento da atividade. Os objetivos propostos não foram completamente alcançados por conta do descaso de alguns alunos. Não sei se faltou mais incentivo de minha parte ou se foi falta de vontade deles por não terem conhecimento do objeto estudado. Porém, confesso que alguns acharam o ábaco um instrumento sem valor conceitual. No entanto para eles, fazer cálculos mecanicamente era melhor. Respeitei as idéias deles, e procurei outra forma de dinamizar a aula. Todavia, eu percebi que em cada parte que os dados eram jogados, eles corriam e anotavam, com medo de errar. Mas valeu o esforço, pois eu aprendi trabalhar com situação um pouco desconfortável.
 

Revision 216 Nov 2006 - CecilioSantos

Line: 1 to 1
 
META TOPICPARENT name="AntônioCecílio"

Diário De Ciclo VI

Added:
>
>
UFBA – Universidade Federal da Bahia FACED – Faculdade de Educação CURSO – Licenciatura em Pedagogia ATIVIDADE – DIÁRIO DE CICLO (SEIS) PROFESSORA/ORIENTADORA – Rúbia Margareth Dourado ALUNOS – Antônio Cecílio

No Programa de Formação Continuada de Professores para o Município de Irecê, pretendi me constituir em uma experiência de prática pedagógica que, exercida em uma dinâmica que foi fundamentada pelo respeito aos processos cotidianos e a valorização plena do sujeito. O projeto/Irecê tem dado uma importante contribuição no sentido de conquistar e firmar a autonomia dos cursistas, criando um clima onde professores e equipe se sintam responsáveis por aquilo que lá acontece, inclusive em relação ao desenvolvimento dos alunos. De certa forma, é o projeto que vai articular, dentro do ambiente de trabalho, a situação conflituosa da descentralização, e através disto permitir argumentos de forma consistente e produtiva com a comunidade e com os órgãos dirigentes. Vale lembrar que toda autonomia é relativa; o discurso sobre ela não pode ser usado para justificar ferimentos sentimentais, nem isolamento. A maior parte dos estudos sobre educação normalmente se relaciona, e de maneira prática à demanda escolar, sobretudo agora, quando um discurso repetitivo compromete todas as vantagens.Daí em diante, o próprio modelo de modernidade apoiada nas concepções enraizada adotou esta idéia de concepção. Os relatórios de hoje parecem fantasiar a educação das primeiras décadas do século XX que se ligava com desenvolvimento e excessividade em tratar os descolarizados como doentes. Por conta disso, tornou-se comum nos encontros de professores, a clara diferença entre aqueles que estão ainda em curso e os já formados há muito tempo. Um choque entre velho e o novo, E o que é pior, os já estabelecidos no mercado de trabalho se “armam” de argumentos, afirmando a necessidade de mudar urgentemente a prática pedagógica. Mas o que fazer? Negar o que se vem fazendo? Rasgar os planos? Queimar os livros? Este Diário de Ciclo visa a integrar as atividades e os projetos desenvolvidos na minha prática pedagógica. Pretendo, ainda me apoiar em um processo de intervenção profunda e coletiva nas práticas cotidianas como professor, no interior de cada escola que trabalhei. Sei que é importante a elaboração dos planos em ação, através de uma reflexão conjunta com os alunos e demais envolvidos, para que a escola possa nortear seu trabalho e, assim, cumprir suas finalidades. Acerca disso, vejo que é preciso que os gestores tenham consciência de que a as relações humanas dentro da escola devem visar sempre o bem estar de todos os envolvidos no processo ensino-aprendizagem, para garantir um ensino com qualidade. Quando isto não ocorre o processo fica prejudicado, como aconteceu comigo na execução de algumas atividades, colaborando assim para que a eu não alcance as finalidades pretendidas. Muito se fala sobre a participação ativa do professor dentro do ambiente escolar, com tomadas de decisão acima do Diretor da escola, porém na prática não é esta a realidade da maioria das escolas. È um processo complicado, já que o acesso as tecnologias estão presentes no nosso dia-a-dia, e que ainda hoje existam professores analfabetos neste país, no ponto de vista de avaliar a si mesmo ou os outros com que trabalha. Nessa caminhada, para mim, o ato de avaliar não implicou somente na aprovação ou reprovação do educando, mas sim orientação permanente para o meu desenvolvimento, tendo em vista tornar-me o que o meu “SER” pede. Todavia, foi preciso que eu tivesse cada vez mais acesso em como utilizar novas tecnologias no meu dia-a-dia, para que eu me sentisse seguro, ao transmitir aos alunos confiança e fazendo com que todos participassem ativamente das aulas com atividades orientadas. Mas os fatos se tornaram um pouco difícil, pois nem sempre o que eu planejei, os alunos cumpriram, mesmo eu dando idéias e sugerindos atividades diferentes. Mas tenho esperança qu esse quadro se reverte. Em meio a tudo isso, me apeguei muito ao desenvolvimento de atitudes favoráveis, diante do uso das tecnologias na educação, como elementos fundamental de diferentes possibilidades de formação dos cidadãos do mundo contemporâneo, praticando o processo de ensino e aprendizagem voltado para a busca, análise e tratamento de informações. Uma prova disso, foi o GEAC de Tecnologia e Práticas Pedagógicas, no qual estudei e aprofundei os conceitos de comunidades virtuais e interatividade. Com relação ao primeiro tema, eu percebi que existem alguns empecilhos que atrapalham na subsistência de um certo grupo. Vi que o grande desafio está na criação de artifícios que aproximam os alunos do mundo digital e, que outro ponto de dificuldade está na discussão de temas que tratam do interesse dos leitores e participantes dessa comunidade, que as vezes, não sabem nem entendem a linguagem virtual. Com isso, vejo que não é simples manter uma comunidade virtual, na qual existem pessoas que mal se conhecem. Já a interatividade apresenta característica de envolvimento público. A respeito desse tema estudado, me senti neutralizado, sem saber como inserir meus alunos num processo de conhecimento das tecnologias. Mas, visando a facilidade de procedimento e a transmissão de aprendizagem utilizada em novos campos, pensei em criar e-mails para eles. Só depois daí, os coloquei em contato com as informações apropriadas referentes ao objeto de estudo. No meu caso, a matéria de história. Vale salientar que dentro desse projeto, o primeiro aspecto diz respeito ao fato da simples navegação, num universo de conhecimento com o micro, o mouse, e com outras ferramentas. Confesso que não foi preciso uma aprendizagem efetiva por parte dos alunos, fazendo-se necessário da parte deles um envolvimento nas atividades e tarefas. O segundo aspecto se refere ao domínio pela parte dos alunos dentro dos ambientes colaborativos, colocando suas estratégias de aprendizagem a partir da capacidade de aprender a aprender, através de pesquisas, da interação e construção partilhada e conjunta do conhecimento. Para a construção do projeto, dentro das novas tecnologias, nem tudo ocorreu às mil maravilhas. Alguns fatores dificultaram o processo. O transporte por exemplo, foi o fator que nós (alunos e professores) sentimos mais resistência em adquirir. A Secretaria de Educação não o disponibilizou nenhuma vez, inviabilizando a nossa trajetória para o Tabuleiro Digital. Mesmo assim, fomos a pé, demonstrando vontade de dar abertura àquele plano em ação. Ai poderia surgir a seguinte pergunta: O que você fez para superar essa dificuldade? De início, enviei ofício a direção da escola, solicitando o transporte escolar, esta por sua vez, envia ofício à Secretaria Municipal de Educação, e esta por sua vez, envia o ofício à Secretaria de Transporte, também pedindo o referido. Mas devido a burocracia, nada foi conseguido. Diante disso, fiquei preocupado, e ao mesmo tempo com medo que esse plano de ação se esfriasse, por conta da falta de apoio que não tive por parte dos meus superiores, e caisse no esquecimento, na desilusão, vendo depois, acabar tudo aquilo que foi feito com intuito de reforçar as técnicas virtuais. Ver projeto, relatório das atividades e análise dos alunos em anexo I. Outro aspecto que contribuiu com a minha prática pedagógica, foi Atividade 525 "Um encontro comamatemática". Nela, estudei a matemática enquanto ciência e, sua importância para o desenvolvimento do raciocínio lógico. Fiz reflexão sobre a necessidade do entendimento da presença da matemática no cotidiano,percebi que é sempre possível, pois sua finalidade parte para desmistificar sua incompreensão. Na visão da maioria dos estudiosos nesta área, o desenvolvimento do estudante está muito abaixo do esperado. Porém, de forma muito triste, eu vejo essa visão ser confirmada nas escolas; isso por causa dos modelos de avaliação, aos quais os métodos de ensino têm sujeitado os alunos. Foi a partir dessa constatação, e também com base nos aspectos abordados na oficina de matemática, que eu pensei sobre as seguintes questões: qual o papel da matemática na formação dos alunos que estudam o ensino fundamental? Em que medida o que estamos ensinando em sala de aula é coerente com esse papel? O que precisa ser modificado em nossa prática para que a matemática venha cumprir esse papel? Eu sempre soube que estas questões são essenciais para o estudo da matemática. Só que eu não percebia a importância desse papel, tanto no início, quanto no decorrer da aprendizagem. Na verdade eu sempre deixava para depois. Creio também, que para contemplar as indagações acima citadas, tive que realizar exercícios que estimulassem o cálculo mental dos meus alunos, e que eles pudessem operar, também, com a calculadora. Esses procedimentos foram vantajosos porque foram colocados de maneira bem prática, pois contribuíram no desenvolvimento do raciocínio, nas percepções dos padrões numéricos, nas avaliações dos preços e valores, bem como entender os conceitos matemáticos. Mais do que cálculos, a matemática é imaginação. Para calcular hoje em dia, existem as máquinas. O mais importante no trabalho matemático é o raciocínio, a capacidade de resolver problemas e usar as idéias para explorar as situações mais diversas. Os relevantes não são apenas os cálculos, e sim, saber o que fazer com eles. Para isso, é fundamental o sentido dos números e o espírito crítico com relação aos resultados. E tudo isso foi comprovado no plano de ação que desenvolvi com alunos de terceiro ciclo. Nele, os alunos passaram a conhecer, um pouco, a matemática que ensino, entenderam as características do meu trabalho e perceberam que o papel do professor é de despertar uma criatividade pedagógica aliada à matemática. Ver plano em ação, interpretação de resultados do mesmo em anexo II. Em todos os ciclos, eu frisava a minha participação e o desenvolvimento da professora Margareth no grupo de orientação. No ciclo dois, predominou a democracia, as decisões para o andamento foram tomadas pelos seus participantes. O principal sentido da noção de políticas públicas em ação estava associado a propostas de retribuir a uma raça algo que um dia lhe foi tirado e imposto com muita soberania. Essa experiência, unida ao processo que eu tinha vivido, confirmou a idéia de que a escola não pode ser propriedade dos professores, mas sim, a de incluir toda comunidade educativa. O que mais me chamou à atenção foi o desenvolvimento das discussões que me serviram de referência para nortear o meu trabalho e as minhas opiniões em torno das atividades previstas no projeto pedagógico. Sem perder de vista a metodologia aplicada, a mediação ajudou para um possível aperfeiçoamento científico, atualizando e organizando os pré-requisitos do contexto universitário, dando-me suporte nas argumentações, com base na leitura de textos – oficina de conceitos – exibição de vídeos sobre a escravidão no Brasil e sistema de cotas. No ciclo três, o foco dessa orientação foi a aprendizagem de estratégias de leitura e escrita, cujo objetivo da orientadora foi o de incentivar o uso autônomo dessas estratégias. É importante destacar que a professora deixou claro desde o inicio que não se tratava de um ensino transmissivo, no qual iríamos repetir o que ouvimos, e sim a ampliação das práticas de leitura e escrita para variar o repertório de estratégias. Já no quarto ciclo, me aliei às técnicas e estratégias aplicadas ao exercício da memorização. Foi ali que percebi que a memória é uma construção pessoal que cada cursista realiza, graças à ajuda que recebe de outras pessoas. Tendo esta percepção, senti-me motivado a trabalhar em “minha escola” alguns exercícios de memorização que permitissem aos alunos lembrar os resultados, responder às perguntas com mais lógica, bem como fazer comparações entre diferentes pontos de vista. Assim, eu estaria refletindo as dificuldades existentes entre minha prática e a forma pela qual os meus alunos não apresentavam informações apropriadas para cada uma das questões. E a partir deste trabalho realizado, pude adotar novas atitudes que favoreceram tanto o meu desempenho, quanto a interpretação dos alunos. Das análises realizadas até o momento com relação ao grupo de orientação, merece destaque a do ciclo cinco, no qual constatei que duas das professoras envolvidas no projeto, manifestaram alteração de visão, tanto acerca do exercício sobre o próprio trabalho, quanto a respeito da própria tomada de decisão diante de seus superiores e de seus subordinados. Essas professoras são Márcia Sales e Margareth Dourado. O interessante foi que ao elaborar meu diário, eu percebi essas características das pessoas citadas. Elas demonstraram prática como facilitadora do exercício, não apenas no sentido de indicar meios positivos para que eu conseguisse algo, mas como resolver a complexidade, transformando-a num processo simples. As orientadoras aplicaram recursos de como tomar distância ou ver de fora o próprio trabalho no que se refere os problemas a serem enfrentados, erros e acertos na execução de uma atividade, pontos frágeis no próprio desempenho, relação entre o planejado e executado, percepção de detalhes do cotidiano das aulas, atuações diferenciadas, busca de soluções e saídas para as atividades e a possibilidade de refazê-las.

ANEXO I

Este projeto faz parte do GEAC “ Tecnologia e Práticas Pedagógicas” - da Atividade 516.

PLANO EM AÇÃO

ORIENTAÇÃO
Bonila

MONITOR
Antônio Cecílio

TEMA
Ambientes Colaborativos

FINALIDADE
Criar novas formas de interação pedagógica em contexto de sala de aula, promovendo a aprendizagem cooperativa, auto-regulada, e redes de comunicação mais próximas dos alunos, em busca da adaptação da escola à sociedade e às suas formas de construir o conhecimento, produzindo e desenvolvendo meios que qualifiquem as produções dos alunos.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS: Nesse contexto, espero que os alunos possam perceber os passos para criar e-mails; saber usá-los na sua formação, tendo como suporte as informações comentadas, bem como refletir sobre as problemáticas decorrentes das novas abordagens em aula , particularmente nos temas de História; emitir suas opiniões nos ambientes de aprendizagem, assim como fazer cadastros nos mesmos.Utilizar a Internet como meio de produção colaborativa; Pesquisar temas específicos e / ou espontâneos.

ESTRATÉGIAS
Produção de ofício para agendamento e liberação do tabuleiro digital;
exposição dialogada com os alunos participantes acerca da criação de e-mail; criação do login e da senha, individualmente; criação de lista de discussão; utilização do blog como fonte de publicação textual; debate na sala de aula sobre os comentários de cada colega; exposição dialogada sobre os tópicos de criação de um blog, tanto individual quanto coletivo, para uso cooperativo dos textos produzidos pelos alunos e pelo professor; - http://www.historiaodete.zip.net; analisar relatórios dos alunos.

RECURSOS HUMANOS: Professor , alunos , direção, agentes do ponto de cultura, coordenação do ponto de cultura, professora Maria Bonila.

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO: Elaborar instrumentos para registrar observações sobre os alunos, criando fichas para o mapeamento do desenvolvimento e atitudes que incluem questões, como: faz perguntas? Usa estratégias criativas ou apenas as convencionais? justifica caminhos percorridos? Comunica suas respostas com clareza? Contesta pontos que não compreendeu? Participa dos trabalhos em grupo? Ajuda os outros na resolução de problemas?

INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO : Debate através de chats sobre os temas específicos da matéria (História); debate através de chats sobre o uso das ferramentas tecnológicas; participação na lista de discussão; publicação dos relatórios no blog, bem como comentários reflexivos sobre os mesmos. RELATÓRIO DO PROJETO - AMBIENTES COLABORATIVOS No primeiro momento houve uma certa conturbação por conta da conexão que caiu, ficando impossível de acessar a internet, bem como criar e-mails para os alunos. Mas a situação foi controlada, e os alunos ficaram fazendo outra coisa no computador. Aí já foi o primeiro contato deles com as máquínas. Nesta situação, eles foram perdendo o medo de ficar de frente com o micro, o chamado “bicho de sete cabeças”, expressão usada para demonstrar as dificuldades diante de algo. Mesmo com a pouca oportunidade que eles tiveram, alguns acharam importante, pelo o fato de se comunicarem com outras pessoas, ainda que distantes,umas das outros. Também perceberam que foi um motivo a mais para não perderem as aulas de História. Porém, nem tudo ocorreu às mil maravilhas, muitos reclamaram do tempo e da falta de computadores próprios. (Antônio Cecílio - monitor)

ALUNOS DA 1ªFASE -A

Adorei ter ido ao Tabuleiro Digital, foi um momento importantíssimo para todos, pois aprendemos muito sobre informática, ou seja, foi um momento importante onde todos os colegas criaram endereços de E-mail, MSN, etc. Sem contar que a informática, hoje, faz parte do nosso cotidiano, devemos ter pelo menos um mínimo de noção para manusear o computador que é uma ferramenta imprescindível para qualquer estudante.(MÓRGANS ÁLLISON) Foi muito difícil porque quando chegamos lá a conexão caiu ai ficamos esperando o professor achar um jeito para que nós pudéssemos fazer o nosso e-mail ai o professor levou todos para fazer no laboratório depois disso foi moleza não demoramos muito e fizemos nosso e-mail, gostei muito.(SONIA MARIA DA SILVA) Pra mim foi ótimo, eu já tinha e-mail e prática para ajudar os meus colegas a desenvolver a capacidade de criar e-mails.(ANDRÉ RICARDO) Professor eu gostei de fazer meu e-mail mas não estudei quase nada, primeiro por que não sei trabalhar com o computador, gostaria de aprender mais e entender o que significa.(LUIZA) Como o professor falou o primeiro momento foi de raiva mais amei, o segundo momento fiquei muito interessada para aprender, como sua uma menina muito ocupada e não tenho condições de pagar meu curso, mas mesmo assim vou lutar para aprender não hoje e nem amanhã, um dia quem sabe!(AURICÉLIA) Eu sei que o professor é muito cheio de coisa, porque ele quando começou as aulas inventou um tal de e-mail que nós não vamos dá nada por isso, gostaria que falasse mais sobre história, sobre o homens e os convívios antigos.. (EDENILSON) Professor eu não fui por que eu entrei ontem, mais eu gostaria de ter ido para eu entende mais sobre o E-mail, porque eu gostaria de ter meu próprio e-mail para poder bater papo com outros internautas, não foi desta vez, mais possa ir da outra vez. Professor eu gostei muito da sua aula porque você explica e eu entendo, gostei do seu jeito,eu espero que você goste do meu jeito também, e mim ajude porque eu preciso muito da ajuda doa professores ok. Espero que você tem muita paciência comigo seje sempre assim realista e verdadeiro, porque assim você vai longe.(Wandra Santos Alexandre) Discussão a cerca dos e-mail.bem sobre a criação do e-mail eu acho que foi importante porque foi um aprendizado a mais eu só acho que teria que ser com um pouco mais de tempo porque faltou um pouco mais de explicação para quem não tinha conhecimento divido a quantidade de pessoas e a quantidade de computadores não foi bem explicado então ficou algumas duvidas sobre como acessa o e-mail.(Pedro Alvez ) Relatório sobre a criação de e-mail nas formas fazer o e-mail. Na primeira vez que nos íamos o céu estava escuro para chover. Não fomos. Outro dia nos fomos quando chegamos lá os computadores caiu a conexão mesmo assim foi bom. Pouco difícil mas conseguimos não no tabuleiro mais sim no escritório.fez o meu e-mail. Mim atrapalhei toda mais aprendi algumas coisas adorei nu tabuleiro. Gostaria de ir lá outra vez só tenho tempo a noite.( Marlete p.gomes ) Prof.. achei tudo legal por que deu p/ mim aprender como se meche nas tecla do computador dois dias que participei foi super legal apesar da enrola que teve no primeiro dia fiquei muito triste e com raiva do senhor que fes andar essa lonjura toda pra chegar lá e ta fora do sistema mais depois quando cheguei em casa pude perceber que o senhor não teve culpa depois que vi seu esforço fiquei feliz por ver sua atenção foi mais um motivo pra não perder sua aula.....( Renato Amorim da silva ) Meu primeiro dia de criação de e-mail. No primeiro dia não foi fusível; pelo o fato dos computadores não estarem em conexão voltamos no aspecto do conhecimento. Segundo dia do tabuleiro quase não seria possível mais uma vez mais o professor, conseguil um espaço ufiba. Para que posse realizar os e-mail esperados. Só que não que não esperei até o final. Mas justifiquei o professor, no dia seguinte. Fiquei sabendo com os colegas, que foi maravilhoso o conhecimento com o computador. Espero outra oportunidade se possível.( Delmaoliveira@yahoo.com.br ) Eu fui as duas vazes e estava muito empolgada para fazer o meu e-mail mais quando nós chegamos lá estava tudo fora do ar vir que você se empenho se bastante e conseguiu. Mais não dava para todos de uma só vez e a mesma que estava comigo não quis esperar pois ela achou que não iria dar tempo para todos abrir seu e-mail mais espero que a próxima vez consiga.( Nilda Pedro da silva ) Eu fui na primeira vez. Eu estava com muita vontade de criar meu e-mail. Mais não foi possível pois o computador caiu a conexão. Eu fiquei muito triste.( Elisângela o silva ) O e-mail é importante e também legal Só tem um problema que eu nuca tive contato com o computador. A primeira vez eu não gostei muito porque saiu toda caiu mais na ultima vez foi legal os computadores todos bons e aquele cara que estava lá ensinando a nos como se criava um e-mail mais eu achei bom te aceso com o mundo todo legal.( Erielton R. santos ) Não achei nada bom, perdi a viagem duas vezes e não consegui fazer o e-mail porque os computadores não estava no ar. Não gostei das aulas de e-mail.( José Gonçalves ) Daquele dia não foi possível criar o e-mail porque o sistema saiu do ar depois dia 18 de abril não gostei porque não fez nada só fez o meu e-mail a internet nos ajudou na comunicação através do Antonio Cecílio nos ajudou na criação do e-mail onde preciso de nossos dados pessoais baseados no computador. (Danilo santos da Crus). Eu entendi que a internet nos ajudou na comunicação através de e-mail. 11 de abril de 2006, o professor Antonio nos ajudou na criação do e-mail. Onde precisou dos nossos dados pessoais armazenados no computador e precioso da senha isso foi bom..Aluna (MICHELE). Bom, no momento que mais íamos fazer o e-mail, no começo saiu muito bom, Começa a preencher o que se pediu, mas quando eu estava bem, o sistema caiu.( Josimar silva pereira ) Professor Cecílio eu sentir dificuldade em entender as suas letras mas eu gostei muito da sua aula pois você esclarece muito bem... . ( Elizabete batista bezerra )

ANEXO II

PLANO EM AÇÃO ATIVIDADE 525 UM ENCONTRO COM A MATEMÁTICA

Tema
Nunca dez (Ábaco)

Finalidade
O ábaco além de ser útil no processo das operações matemáticas, ajuda aos alunos na percepção e na importância do “vai um” ou do “toma um emprestado”. Por isso resolvi aplicá-lo como objeto de estudo, aprimorando a técnica de cálculos dos alunos, bem na compreensão do sistema decimal.

Objetivos específicos: Resolver desafios envolvendo adição e subtração; discutir a idéia do famoso “empresta um” ; compreender o sistema decimal; saber explicitar o próprio raciocínio, procurando compreender o pensamento do colega.

Estratégias matemáticas: Articulação da proposta; estímulo da autonomia do aluno; resolução d problemas; descrição do cálculo mental.

Materiais necessários Ábaco, fichas, papel-metro; pincel atômico.

Avaliação: A avaliação acontecerá por meio da compeensão dos conceitos matemáticos, aproveitando a criatividade dos alunos, bem como na possibilidade de enfrentar situação-problemas e resolvê-las.

INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DA AULA Trabalhei com o ábaco numa sala de quinta série, composta de 30 alunos. Articulei a proposta de trabalho para os alunos, dividindo-os em três grupos de dez, apresentando o ábaco para eles, e fazendo algumas demonstrações com o uso do dado para complementação da atividade. Em seguida, expliquei o porquê do “vai um” e do “toma um emprestado”. Falei que não poderia passar de dez, usando o ábaco. Logo depois, propus alguns problemas envolvendo a adição e a subtração; e aí eles de vez a idéia do “vai um” e do “toma um emprestado”. Nesta atividade, o ábaco também ajudou na posição do sistema decimal. Vários desafios foram lançados para os alunos responderem. Mas em determinada situação, eles não sabiam explicitar o próprio raciocínio. Entender o pensamento dos colegas, foi o que deixou os alunos do de expressar o referido tema. Isso foi muito difícil no desenvolvimento da atividade. Os objetivos propostos não foram completamente alcançados por conta do descaso de alguns alunos. Não sei se faltou mais incentivo de minha parte ou se foi falta de vontade deles por não terem conhecimento do objeto estudado. Porém, confesso que alguns acharam o ábaco um instrumento sem valor conceitual. No entanto para eles, fazer cálculos mecanicamente era melhor. Respeitei as idéias deles, e procurei outra forma de dinamizar a aula. Todavia, eu percebi que em cada parte que os dados eram jogados, eles corriam e anotavam, com medo de errar. Mas valeu o esforço, pois eu aprendi trabalhar com situação um pouco desconfortável.

Revision 130 Jun 2006 - CecilioSantos

Line: 1 to 1
Added:
>
>
META TOPICPARENT name="AntônioCecílio"

Diário De Ciclo VI

 
This site is powered by the TWiki collaboration platformCopyright &© by the contributing authors. All material on this collaboration platform is the property of the contributing authors.
Ideas, requests, problems regarding TWiki? Send feedback