Mistura de magmas no complexo alcalino Floresta Azul, sul do estado da Bahia - Ana Carla Monteiro Salinas (2007)

Banca: Prof. Dr. Herbert Conceição

Co-Orientadora: DRª. Maria de Lourdes da Silva Rosa

Resumo: O complexo Alcalino Floresta Azul (CAFA), localizado na porção sul do Estado da Bahia, tem 20 Km2 de área aflorante, e constitui uma das intrusões da Província Alcalina do Sul do Estado da Bahia. Esta província instalou-se durante o Cryogeniano (630-850 Ma) e tem sido interpretada expressão do sistema rifte deste período. O CAFA é um corpo ígneo, com forma alongada na direção NE-SW, sendo constituído por uma intrusão granítica, posicionada a leste e outra sienítica situada a oeste, em contato por falha. Neste trabalho, o batólito foi dividido em duas fácies: uma granítica e outra diorítica. A fácies Graníticas consiste em uma suíte alcalina, de textura fanerítica, granulação media a grossa, composta por monzo-granitos, granodioritos, sieno-granitos e quartzo-monzonitos, ricos em enclaves dioríticos, de formas e tamanhos variados. A mineralogia essencial é composta de quartzo, feldspato alcalino, oligoclásio, e como minerais máficos predominantes apresenta biotita e anfibólio. Como minerais acessórios possui a apatita prismática, titanita, allanita, zircão e minerais opacos. A fácies Dioríticas é constituída por qurtzo-dioritos, monzodioritos e dioritos, que encontram-se inclusos na fácies graníticas por apresentar padrão textural porfirítico, com granulação fina a media. A mineralogia prismática é composta por oligoclásio, biotita, anfibólio, quartzo, piroxênio. Ela apresenta, como minerais acessórios, os mesmo minerais encontrados na fácies granítica. A geração deste corpo ígneo pode estar relacionada a processos de mistura de magmas, visto que são freqüentes os enclaves máficos microgranulares, diques sin-plutônicos descontínuos, a ocorrência de feições texturais características como fenocristais do granito no diorito, relações de campo, dentre outros.