Sedimentologia e estratigrafia da sequência "Taipus-Mirim" na porção onshore na Bacia de Camamu-BA - Deivson Lucas da Silva (2010.2)

Banca: Prof. Dr. Michael Holz - IGEO/UFBA - Orientador, Prof. Roberto Rosa - IGEO/UFBA, Geofísico João Maurício Figueredo Ramos - Petrobras

Resumo: A Bacia de Camamu faz parte das bacias marginais brasileiras, está situada na faixa costeira do estado da Bahia, entre os paralelos 13° e 14° S, com uma área de 12.929 Km². As lítologias presentes na área de estudo estão inseridas no Grupo Camamu, que é subdividida nas formações Taipus-Mirim, que foi depositado durante o Aptiano e a formação Algodões que foi depositado durante Albiano ao Cenoniano. Segundo Caixeta (2007), a formação Taipus-Mirim, é constituída por evaporitos e clásticos grossos (arenitos e conglomerados), e intercalações de folhelhos carbonáticos do Membro Serinhaem e os calcários, folhelhos e halita do Membro Igrapiuna. A Bacia de Camamu é dividida em trezes seqüências básicas (CAIXETA, 2007), tendo as seqüências que correspondem a formação Taipus-Mirim, que foi detalhada nesse estudo, é limitada na base pela discordância Pré-Alagoas e seu topo pela discordância correspondente a Formação Algodões. As Ilhas de Pedra Furada e Ilha Grande estão inseridas na formação Taipus-Mirim, e são compostas por cinco fácies sedimentares:
- i) conglomerados matriz-suportado;
- ii) arenito bioclastico;
- iii) arenito com wavy;
- iv) arenito médio a fino;
- v) lamitos.
Todas as fácies são provenientes de canais fluvias e leques aluvias, que se depositaram durante a fase de extensão da bacia (rifte), durante o cretáceo. O presente trabalho tem por objetivo de apresentar os resultados da análise sedimentológica e estratigráfica da formação Taipus-Mirim contribuindo assim para elaboração de modelo deposicional.

Palavras-chaves: Sedimentologia, Estratigrafia de Seqüências, Discordâncias e Fácies.