Diques Graníticos da Orla de Salvador: Petrografia, Litogeoquímica e Estrutural - Erisson Tiano Gonçalves dos Santos (2009.2)

Banca: Profª. Drª. Amalvina Costa Barbosa - IGEO/UFBA - Orientadora, Prof. Dr. Luiz César Corrêa Gomes - IFBA - Co-orientador, Profª. Drª. Ângela Beatriz de Menezes Leal - IGEO/ UFBA, Geólogo Raymundo José Bulcão Fróes

Resumo: Os diques félsicos que ocorrem na região da orla marítima da cidade de Salvador, estado da Bahia, inseridos no Cráton São Francisco, especificamente no embasamento granulítico do Orógeno Salvador-Esplanada, Esta é uma unidade tectônica alongada na direção N45º, que apresenta uma história evolutiva complexa, destacando-se as diversas rochas metamórficas de alto e médio grau do domínio Alto do Salvador (BARBOSA et al. 2005). Os principais afloramentos destes diques encontram-se nas praias de Itapuã, Jardim de Alah e Paciência (bairro Rio Vermelho). Os corpos intrusivos félsicos apresentam-se completamente fraturados e intemperizados, de coloração rósea e granulometria de média a grossa. São leucocráticos, isotrópicos, inequigranulares e tem dimensões entre 0,4 a 3,0 metros de largura e de 1,0 a 31,0 metros de comprimento. Estão colocados em duas direções preferenciais, no quadrante sudeste e sudoeste com atitudes respectivamente de N115/75ºNE e N080º/86ºNW. Composicionalmente, os diques foram classificados como sienogranitos e monzogranitos, cujos minerais essenciais são: microclina, oligoclásio e quartzo. Associam-se a estes os minerais varietais - biotita e muscovita e uma fase acessória, com magnetita, apatita e zircão, apresentam texturas relacionadas à alteração fraca atribuída a circulações de soluções aquosas Os cristais apresentam fraturas com preenchimento mineral de alteração, evidenciando circulação de fluidos.

Palavras chaves: diques félsicos, petrografia, Salvador, Bahia.