Geologia e Petrografia dos Diques Máficos da porção leste da Folha Caetité (SD.23-Z-B-III), escala 1:100.000 - Giselle Chagas Damasceno (2009.2)

Banca: Profª. Drª. Ângela Beatriz de Menezes Leal - IGEO/ UFBA, MSc. Violeta Martins - CBPM, Profª.Drª. Olga Maria F. Otero

Resumo: Os diques máficos localizados na porção leste da folha Caetité, sudeste do Estado da Bahia, encontram-se inseridos no Cráton do São Francisco, mais precisamente no embasamento granítico-gnaissico-migmatítico, de idades Arqueana do Bloco Gavião. De acordo com Barbosa et al. (2009, no prelo), os diques máficos estudados apresentam posicionamento cronológico duvidoso, mas podem ser relacionados e associados aos diques máficos da Chapada Diamantina de idade Mesoproterozóica (BRITO, 2005, 2008). Esses diques máficos encontram-se localizados tanto na porção interna quanto na porção externa do "Domo Lagoa da Macambira" onde foram cartografadas rochas do Complexo Gavião, tonalito a granodiorito Lagoa da Macambira e Santa Rita e rochas vulcanossedimentares do Complexo Ibitira-Ubiraçaba, respectivamente. De modo geral, os diques máficos se apresentam sob forma de lajedos, localizados em sua maioria em margens e leitos de rios, apresentam granulometria entre fina a média, são maciços, isotrópicos, possuem morfologia retilínea com pequenas sinuosidades, preenchendo fraturas distensivas segundo orientação preferencial WNW-ESE, espessuras que variam de poucos centímetros a dezenas de metros e extensões variáveis de até 3 km. Nos locais onde os diques máficos fazem contato com a rocha encaixante é comum a presença de fragmentos que variam de pequenos seixos a blocos com capas concêntricas em torno do núcleo mais duro da rocha. Petrograficamente são equigranulares, possuem granulação que varia de fina a média e texturas como ofítica, subofítica, intergranular e poiquilítica. Apresentam ainda texturas como zoneamento, saussuritização, sericitização, cloritização, uralitização e biotitização. A partir do estudo petrográfico detalhado foi possível agrupá-los em dois grupos com características texturais distintas reflexo do posicionamento dos diques máficos em relação ao "Domo Lagoa da Macambira". Os diques máficos foram classificados como gabros com afinidade toleítica. A partir do estudo geoquímico utilizando diagrama Harker e MgO? como índice de variação notou-se que a evolução magmática gerou empobrecimento de CaO? e Al2O3 e enriquecimento de SiO? 2, TiO? 2, FeO? t, K2O, Na2O e elementos incompatíveis. O comportamento geoquímico dos elementos maiores sugere um forte controle dos minerais plagioclásio e piroxênio no processo de cristalização fracionada sofrido pelo magma. Fazendo uma comparação dos diques máficos estudados com os diques máficos da região de Brumado é possível perceber as similaridades a partir do comportamento geoquímico dos elementos maiores, traços e terras raras.

Palavras chaves: Petrografia, Geoquímica, Diques Máficos, Caetité.