Mapeamento Geológico da Área do Farol da Barra, Salvador-Bahia, Brasil - Jailma Santos de Souza (2008.1)

Banca: Prof. Dr. Luiz César Correa-Gomes - CEFET-BA - Orientador, Prof. Dr. Johildo Salomão Figueiredo Barbosa - UFBA, Profa. Dra. Simone Cerqueira Pereira Cruz - UFBA

Resumo: A região que compreende o Farol da Barra, na cidade de Salvador, estado da Bahia, está inserida no Cinturão Salvador-Esplanada, uma unidade tectônica alongada na direção N45°, que apresenta uma história evolutiva complexa, com uma grande diversidade de litotipos metamórficos de alto e médio grau, extremamente deformados em modo polifásico. Na área de estudo foram identificados os seguintes litotipos: (i) rochas ultramáficas e máficas granulitizadas, (ii) granulitos paraderivados, onde estão incluídos os granulitos aluminosos, granitos granadíferos e os quartzitos com granada, (iii) as rochas ortoderivadas representadas pelos granulitos tonalíticos (iv) os diques máficos, e (v) os corpos e veios monzo-sienograníticos. As rochas encontram-se polideformadas no estado dúctil apresentando, pelo menos, três fases deformacionais, onde primeira fase deformou os litotipos presentes na área, estruturando uma foliação (Sn) paralela ao bandamento gnáissico, onde as rochas mais competentes foram boudinadas, com lineações de estiramento mineral, predominantemente, strike-slip e cinemática ora dextral a dextral-reversa, ora sinistral-reversa. A segunda fase é caracterizada por zonas de cisalhamento subverticais que ora se paralelizam, ora transectam os corpos boudinformes, com lineações de estiramento mineral, de maneira geral, strike-slip e cinemática predominantemente dextral. A terceira fase, de caráter menos penetrativo, gerou uma foliação com alto ângulo de mergulho e lineação de estiramento mineral dip-slip e cinemática reversa. Através do estudo das estruturas rúpteis obtiveram-se vários conjuntos principais de falhas e fraturas, sendo que a Falha de Salvador está relacionada ao sistema de fraturas N20º- N30º, a Falha da Barra ao conjunto de fraturas N80º- N90º e o sistema N120º- N130º é paralelo às falhas transferentes da Bacia do Recôncavo.