Geologia, Petrografia e Geoquímica Preliminar das Rochas Meta-vulcânicas Máficas da Unidade Intermediária do Greenstone Belt de Riacho de Santana, Bahia, Brasil - Joilma Prazeres Santos (2009.2)

Banca: Profa. Dra. Ângela Beatriz de Menezes Leal - IGEO/UFBA - Orientadora, Profa. Dra. Amalvina Costa Barbosa - IGEO/UFBA , MSc. Violeta de Souza Martins Borges - CBPM

Resumo: O Greenstone Belt de Riacho de Santana (GBRS) está inserido na porção central do Cráton do São Francisco, no Bloco Guanambi-Correntina e situa-se na porção sudoeste do Estado da Bahia. O GBRS estende-se ao longo de uma faixa norte-sul, descontínua, com aproximadamente 84 km de comprimento e largura média de 12 km, delineado entre rochas intrusivas do Batólito Urandi-Guanambi e os terrenos graníticos-gnaíssicos-migmatíticos arqueanos do embasamento. As paragêneses metamórficas associadas às rochas do GBRS correspondem à fácies xisto verde, gradando para a fácies anfibolito nas proximidades dos terrenos gnáissicos, na porção leste do GBRS. Segundo Silveira & Garrido (2000) o GBRS apresenta um arranjo litoestratigráfico disposto em três unidades geológicas principais: (i) Unidade Inferior, é composta por metassedimentos químicos e detríticos associados a vulcanismo komatiítico máfico/ultramáfico; (ii) Unidade Intermediária, constituída por meta-sedimentos pelíticos e químicos, associados a vulcanismo máfico e correspondentes piroclásticos e epiclásticos de natureza félsica e (iii) Unidade Superior, representada por uma sequência sílico-carbonática (quartzitos e metacarbonatos) tipicamente de ambiente plataformal, com intercalações de meta-basalto e meta-tufos. As rochas meta-vulcânicas máficas da Unidade Intermediária do GBRS, objeto de estudo, ocorrem na porção noroeste da cidade de Riacho de Santana. São corpos que se apresentam sob a forma de blocos arredondados a subarredondados, de granulação fina a média e coloração variando de verde a verde acinzentada. São rochas que se encontram altamente cisalhadas e foliadas, ocorrendo tipos com estruturas isotrópicas e maciças. Raramente mostram à presença de veios preenchidos por quartzo e plagioclásio. De uma forma geral, as rochas meta-vulcânicas máficas foram classificadas como actinolita xistos. Predominam as texturas granoblástica a nematoblástica, nas quais há um desenvolvimento da orientação dos cristais de actinolita e são constituídas predominantemente por anfibólio (actinolita) e plagioclásio, e em menor quantidade de quartzo, titanita, apatita e minerais opacos. O zircão ocorre como mineral traço. Mais raramente ocorrem rochas de estrutura maciça, com texturas ofíticas a subofíticas, constituída por actinolita, plagioclásio, titanita, quartzo e minerais opacos. As rochas meta-vulcânicas máficas foram classificadas como basaltos com afinidade toleítica. Com a evolução magmática observa-se empobrecimento de Cr, Ni, CaO? e Al2O3? e enriquecimento de SiO2? , TiO2? , FeOt? , K2O? , Na2O? e elementos incompatíveis. O comportamento geoquímico dos elementos maiores sugere um forte controle dos minerais plagioclásio e clinopiroxênio no fracionamento magmático.