Variabilidade sazonal da profundidade da camada de mistura na região do Complexo Recifal dos Abrolhos e da cadeia Vitória-Trindade baseada em forçantes atmosféricas. - Leonardo Nascimento Lima (2019.1)

Banca: Prof. Dr. Carlos Alessandre Domingos Lentini - IF/UFBA - Orientador, Profa. Dar. Janini Pereira - IF/UFBA, Prof. Mauro Cirano - IF/UFBA

Resumo: Este estudo investiga a variabilidade sazonal da profundidade da camada de mistura na região entre 13°S-23°S e 44°W-28°W que engloba o Banco dos Abrolhos (BAS) e a Cadeia Vitória-Trindade baseado em dados de ventos derivados do escaterômetro QuikSCAT, dados observacionais de radiação solar incidente produto de re-análise do NCEP/NCAR e saídas numéricas geradas pelo modelo Parallel Ocean Program (POP) de 1994 a 2003. Para alcançar este objetivo, é usado uma combinação de mapas horizontais (e.g. de velocidade do vento, de rotacional do vento, de temperatura, de profundidade da camada de mistura) e diagramas Hovmoller. Adicionalmente, foram geradas séries temporais, visando o entendimento da dinâmica física e biológica na região do BAS. Observou-se um padrão marcadamente sazonal, sendo a camada de mistura menos espessa no verão devido à combinação entre as altas taxas de radiação solar incidente e a menor intensidade do vento. Por outro lado, a camada de mistura alcançou uma profundidade mais alta no inverno em função do resfriamento na superfície e pelos fortes ventos característicos durante esta estação. Em geral, a região da plataforma do BAS apresentou as maiores concentrações de clorofila, mas outras variáveis devem ser investigadas para comprovar uma possível ressurgência costeira nesta região. Em geral, a profundidade da camada de mistura apresentou um comportamento dependente das forçantes atmosféricas analisadas e o POP mostrou resultados satisfatórios para a região.

Palavras chave: Profundidade da camada de mistura; dados atmosféricos; modelo de circulação global; sensoriamento remoto.

-- IsabelBarros - 18 Jun 2013