Características Petrográficas e Aspectos Metalogenéticos do corpo C-59, Mina Fazenda Brasileiro, Bahia - Lisálvaro Lucas Chaves Costa (2008.1)

Banca: Prof. Dr. José Haroldo da Silva Sá - IGEO/UFBA - Orientador, Prof. Telésforo Marques - IGEO/UFBA, Prof. Dr. Sérgio Augusto de Moraes Nascimento - IGEO/UFBA

Resumo: A mina Fazenda Brasileiro está localizada na região nordeste do Estado da Bahia, porção sul do Greenstone Belt do Rio Itapicuru, mais precisamente na Faixa Weber. Essa faixa corresponde a uma zona de cisalhamento com mais de 8 km de extensão, orientada segundo E-W, mergulhando cerca de 45° para sul. Trata-se de um dos mais importantes depósitos de ouro orogênico do Brasil. O Corpo C-59 encontra-se a uma profundidade de 590 m da superfície, apresentando recursos lavráveis da ordem de 69.252,6 t de minério, com o teor médio de 5,26 g Au\t. Situase entre as rochas das seqüências Fazenda Canto (MPV) e Fazenda Brasileiro (CLX). Durante o mapeamento geológico foram identificados dois tipos de veios mineralizados: (i) veios paralelos a subparalelos a foliação e (ii) veios discordantes, apresentando composição mineral e teores de ouro, fortemente controlados pelas encaixantes, evidenciando o papel das encaixantes no processo mineralizador, resultante da interação fluido\rocha. Os estudos petrográficos mostraram que o ouro encontra-se como partículas finas variando de 5 μm a 200 μm, apresentando-se incluso nas bordas e preenchendo microfraturas nas arsenopiritas, além de ocorrer partículas livres nos veios de quartzo. A paragênese de alteração hidrotermal é formada por quartzo - clorita - sericita - sulfeto - carbonato - albita ± biotita ± muscovita ± ilmenita ± rutilo resultantes de processos de cloritização, silicificação, sericitização, sulfetação, carbonatação e albitização. Foram observadas duas fases principais de mineralização, a primeira é caracterizada por apresentar ouro incluso nas arsenopiritas, em paragênese com pirrotita, calcopirita e pirita (remobilizadas), e nos veios concordantes de quartzo e quartzo-carbonato. E a segunda, por apresentar partículas de ouro preenchendo microfraturas nas arsenopiritas e nos veios. A nível de corpo de minério, outros controles podem ter influenciado nas distribuições e concentrações de ouro, destacando-se: (i) controle mineralógico relacionado, principalmente, à presença de arsenopirita; (ii) controle estrutural associado às zonas de charneira das dobras de segunda fase (Fn'); e (iii) controle associado às alterações hidrotermais (cloritização, silicificação, carbonatação, sericitização).

Palavras-chave: Greenstone Belt do Rio Itapicuru, Mina Fazenda Brasileiro, Depósitos de Ouro Orogênico.