Estrutura da associação de larvas de peixe na avaliação da influência de plumas de efluentes industriais na costa norte da Bahia, Brasil. - Lucas Campos Maltez (2010.2)

Banca: Prof. Dr. Paulo de Oliveira Mafalda Júnior - IBIO/UFBA - Orientador, Dra. Christiane Sampaio de Souza- IBIO/UFBA, Profa. Dra. Aline Solange Pereira - IBIO/UFBA

Resumo: Devido ao limitado conhecimento sobre o efeito do lançamento de efluentes industriais sobre a qualidade da água no litoral norte da Bahia, sobretudo sobre o ictioplâncton torna-se relevante o seu estudo, bem como da sua relação com variáveis meteorológicas e oceanográficas, contribuindo para aumentar os conhecimentos sobre a saúde dos recursos pesqueiros presentes na região, empregando as larvas de peixes como organismo monitor na avaliação da degradação ambiental, uma vez que a saúde relativa de uma comunidade de peixes é um indicador sensível do estresse direto e indireto sobre todo o ecossistema. Sendo assim, este trabalho tem como objetivo geral avaliar a estrutura da associação de larvas de peixes, no litoral norte da Bahia, como subsídio para interpretação dos possíveis efeitos da presença de efluentes industriais que são lançados na região. As amostragens foram realizadas em 11 pontos, no litoral norte da Bahia, entre Itapõa e o Rio Jacuípe, na região sob influência de efluentes industriais (emissários submarinos da Cetrel e da Millenium). Em cada ponto, foram coletados dados hidrológicos (temperatura, salinidade, pH, oxigênio dissolvido e transparência), além de ictioplâncton, utilizando rede bongo. A costa norte da Bahia apresentou riqueza taxonômica intermediária, onde foram identificadas 38 táxons, entre 26 (68%) famílias demersais, 6 (16%) mesopelágicas e 6 (16%) pelágicas. Duas associações de larvas de peixes foram observadas na região e foram denominadas: Demersal (Sparidae, Gerreidae e Clupeidae), que predominou no período seca e Pelágica (Engraulididae, Carangidae, Bregmacerotidae, Gobiidae e Haemulidae), que predominou no período chuvoso. A utilização do litoral norte da Bahia, como sítio de desova e criação de larvas de peixes, foi verificada com maior densidade e riqueza de larvas no período chuvoso e maior densidade de ovos no período seco. Neste estudo que empregou as condições oceanográficas e a estrutura da associação ictioplanctônica não foram detectados efeitos negativos da presença da pluma de efluentes industriais no litoral norte da Bahia.

Palavras chave: Ictioplâncton, efluente industriai, associação de larvas.

-- IsabelBarros - 14 Jul 2013