Aspectos petrográficos e litogeoquímicos das rochas alcalinas da Serra das Palmeiras, Sul da Bahia - Murilo de Araújo Santiago (2007)

Banca: Drª. Maria de Lourdes da Silva Rosa IGEO/UFBA - Orientadora, Dr. Herbert Conceição Co-Orientador

Resumo: A Serra das Palmeiras está localizada nas proximidades do rio Pardo, possui forma elíptica e situa-se poucos quilômetros do município de Potiraguá, sul o estado da Bahia. É composto de rochas sieníticas, está inserida no stock Rio Pardo e encontra-se de forma intrusiva nos gnaisses granulíticos Paleoproterozóico do cinturão Itabuna. Ambos pertencem à Província Alcalina do Sul do Estado da Bahia (PASEBA), de idade neoproterozóica. Os sienitos são isotrópicos, faneríticos mésio a grossos, subsaturados em sílica, com presença de feldspatóides como nefelina, cancrinita e sodalita. Possui ainda em sua composição mineralógica feldspato alcalino pertitico, biotita, titanita, albita, minerais opacos, pirita, apatita, hornblenda, carbonato e zircão. A partir do estudo petrográfico, dividiu-se os sienitos em três faciologias: álcali feldspato sienito, nefelina sienito e sodalita sienito. A fácies sodalita sienito está sempre associada as nefelina sienito. A grnde maioria dos feldspatos alcalinos encontradas nas faciologias estudadas exibem a textura de exsolução do tipo pertita, evidenciando, assim, o caráter hipersolvus. Texturas de substituições são comuns em laminas, como a cancrinita e sodalita substituindo a nefelina e sodalita à cancrinita. O estudo geoquímico relevou o caráter peralcalino do magmatismo, além do enriquecimento dos óxidos de alumínio e sódio, e do empobrecimento dos óxidos de ferro e potássio, à medida que ocorre o empobrecimento em sílica, ou seja, o fracionamento magmático. Os elementos traços mostram que as nefelina sienitos possuem elevados teores de cromo, zircônio, estrôncio e zinco, enquanto que os sodalita sienitos e sodalititos apresentam as mais baixas concentrações. Os elementos terras raras demonstraram o caráter cogenético entre as faciologias.