Petrografia de nefelina e sodalita sienitos da intrusão sienítica do complexo alcalino floresta azul, sul do Estado da Bahia - Noelinda Ribeiro Santos (2007)

Banca: Dr. Herbert Conceição - Orientador, Drª. Maria de Lourdes da Silva Rosa - Co-Orientadora

Resumo: Na região centro-norte da Província Alcalina do Sul do estado da Bahia, encontra-se o Complexo Alcalino Floresta Azul, que é um corpo ígneo de 200Km² alongado NE-SW, constituído por uma intrusão sienítica e outra granítica, que estão em contato por falha. Este batólito é intrusivo em granulitos arqueano-paleoproterozóicos do Cinturão Itabuna. A Intrusão Sienítica localiza-se na parte sul do Complexo. Ela possui 45Km², é constituída por sienitos com ou sem feldspatóides, cerca de 85% deste corpo. Esta intrusão hospeda uma mineralização importante de sienitos azul (sodalita sienito) em uma porção central, sendo circundada por nefelina sienito e sienito. Este estudo investiga as relações geológicas e petrográficas entre os diferentes tipos de sienitos, com o objetivo de compreender a evolução de suas cristalizações. Os dados obtidos até o momento permitem identificar que os sodalitas sienitos ocorrem como faixas ou balões pegmatíticos encaixados em nefelina sienitos, que são as rochas mais abundantes da Intrusão. As relações destas rochas com sienitos encaixantes são complexas e sugerem que a cristalização da sodalita se processa sob ação de forte pressão de fluidos. As relações entre os minerais, observados ao microscópio, revelam que a cristalização dos feldespatóides cancrinita e sodalita é normalmente acompanhada pela formação de calcita, óxidos e zircão e pela desestabilização da nefelina e feldspato alcalino. Diante do estudo realizado, foi observado que os cristais de sodalita e cancrinita desenvolvem-se às custas da nefelina. A cinética do processo indica trata-se de fenômenos metassomático, provavelmente envolvido em enriquecimento de cloreto de CO2. Foi verificado que os tipos de sienitos da intrusão e as mudanças em sua mineralogia sejam influenciadas pela assimilação das rochas do embasamento, na periferia, e o aumento de feldspatóide indica que a assimilação foi limitada.