ELSA Brasil ultrapassa a marca de 1300 inscritos. Confira depoimentos de alguns participantes.

ELSA Brasil ultrapassa a marca de 1300 inscritos

Um ano após o lançamento nacional realizado em setembro de 2008, pelo Ministro da Saúde, José Gomes Temporão, o Estudo Longitudinal de Saúde do Adulto – ELSA Brasil já alcançou 50% das metas estabelecidas em alguns estados. Na Bahia, o ELSA comemora marcas expressivas: até o dia 18 desse mês, foram 1385 servidores inscritos/as e 754 participantes que já concluíram a fase 2 (exames e entrevistas)

Esse balanço parcial indica que algumas categorias precisam estar mais representadas na pesquisa como, por exemplo, os homens e os/as aposentados/as. Para que os resultados do estudo reflitam a diversidade da população brasileira, precisamos contar com a participação de pessoas de diferentes gerações, sexos e experiências de vida e trabalho.

Então, se você é servidor ativo ou aposentado da UFBA, com idade entre 35 e 74 anos, e ainda não se inscreveu para participar da pesquisa, não perca tempo. Acesse o site www.elsa.org.br ou entre em contato pelo telefone 3283-7480.

Confira trechos de depoimentos de servidores da UFBA que já estão participando do ELSA:

Maria Luiza Dias dos Santos, diretora do Serviço Médico Universitário Rubens Brasil (SMURB):

MLuisa.jpg

“Vale a pena deixar a correria e as demandas do trabalho um pouquinho de lado para participar do ELSA. Essa é uma oportunidade que temos de identificar possíveis problemas de saúde usando tecnologia de ponta e a um custo zero. Além disso, é muito evidente a receptividade, o domínio técnico e a segurança de todos os profissionais envolvidos na pesquisa”.

Israel Pinheiro, professor e presidente da Apub:

“É importante fazer parte de uma iniciativa como essa, um estudo brasileiro, de acordo com a realidade nacional, que nos mostra que não basta trazer conhecimentos de fora e aplicar aqui, como é feito geralmente. É preciso fazer pesquisa em nosso contexto para termos resultados mais próximos da nossa realidade. Além de saber que estou contribuindo para esse avanço, fico contente por saber que terei a minha saúde acompanhada, o que é sempre muito bom”

Flávia Garcia Rosa, diretora da EDUFBA e docente do curso de Desenho Industrial, da Escola de Belas Artes:

Flavia.jpg

“A pesquisa é uma iniciativa bastante interessante e para que ela tenha sucesso depende de nós participarmos. Eu acredito que a preocupação com a saúde é muito pertinente hoje, nesse mundo que a gente vive, com tanto estresse. Responder a entrevista, por exemplo, nos ajuda a refletir. A gente fica no corre-corre do dia-a-dia e às vezes nem para e pensa sobre nós mesmos. Então achei ótimo ter aquele momento ali que é reservado para você refletir um pouco sobre sua vida, sobre como você está.”

Magali Xavier de Oliveira, vestiarista da Maternidade Climério de Oliveira:

“Fui muito bem atendida e achei as instalações ótimas. Não tive nenhuma dificuldade de acesso porque o ambiente está bem preparado para receber os participantes com deficiência. Já sabia por colegas que ficaria uma manhã fazendo exames, então não achei cansativo e até dormi um pouco.”

Rômulo Lessa Mendes, técnico administrativo alocado na Faculdade de Educação:

Romulo.jpg

“Achei o atendimento muito bom: equipamentos e equipe da melhor qualidade. Todos os integrantes do estudo são prestativos, educados e muito profissionais. Foi um atendimento excelente desde a portaria até a realização dos exames.”

Antônia Souza de Lima, servidora de apoio técnico da Maternidade Climério de Oliveira:

“Assim que voltei das férias fiquei sabendo do ELSA pelas colegas da maternidade e não perdi tempo, me inscrevi pelo telefone mesmo. Os meus exames estavam marcados para às 7h, mas eu estava tão ansiosa que cheguei às 6h. Durante o tempo que passei na Casa ELSA fui muito bem tratada por todo mundo, até o exame de sangue que mete um pouco de medo não doeu nada”.


  • Data de Publicação: 30 de setembro de 2009
  • Autoria:
  • Categoria da Notícia: Geral