CONTRIBUIÇÃO AO CONHECIMENTO GEOLÓGICO DO CINTURÃO SALVADOR-ESPLANADA: ENFOQUE NA GEOLOGIA ESTRUTURAL DO AFLORAMENTO DO MORRO DO CRISTO, SALVADOR, BA.

Resumo

A área de estudo está inserida na macrounidade do Cráton do São Francisco, dentro o Orógeno Itabuna-Salvador-Curaçá, mais precisamente no Cinturão Salvador- Esplanada. A justificativa deste trabalho sustenta-se na escassez de trabalhos cerca desta região, sendo necessário a contribuição de dados geológicos através o mapeamento da área localizada no Morro do Cristo, Barra, Salvador, Bahia. O objetivo principal do trabalho foi a confecção de um mapa estrutural de foliações na scala 1:500, e os objetivos secundários foram: (i) realizar um mapeamento geológico afim de redelimitar os contatos litológicos descritos por Oliveira (2010) na escala 1:500, (ii) compreender espacialmente como comportam-se as estruturas dúcteis e rúpteis, (iii) identificar e correlacionar as fases deformacionais com as já escritas na literatura. Com o mapeamento realizado foi possível identificar seis (6) unidades litológicas distintas: (i) Rochas Ultramáficas Granulitizadas, (ii) Granulito Quartzo-Feldspático, iii) Dique Máfico, (iv) Veios Sieno-Graníticos, (v) Conglomerados e (vi) Sedimentos de praia. A partir do estudo estrutural da área, foi possível identificar duas (2) fases deformacionais Dn de carácter dúctil, sendo subdividida em três (3) (D’, D’’ e D’’’), e a fase Dn+1 de carácter rúptil. A fase Dn pode ser correlacionada com a fase Dn+1 descrita por Barbosa & Sabaté (2002) e está ligada as deformações tangenciais da evolução do Orógeno Itabuna-Salvador-Curaçá. A fase Dn+1 pode-se correlaciona-la com a Falha de Salvador, com direções preferenciais de faturamento N030° e a Falha da Barra, com direções preferenciais 070°. Com este estudo deseja-se contribuir para o conhecimento acerca do Cinturão Salvador-Esplanada, onde ainda o conhecimento é reduzido.