Caracterização Petrográfica e Geoquímica do Complexo Itapetinga, nos Municípios de Potiraguá e Itarantim, Sul do Estado da Bahia - Rosenilda Cerqueira da Paixão (2008.1)

Banca: Profa Dra. Maria de Lourdes da S. Rosa - IGEO/UFBA - Orientadora, Dra. Amalvina Costa Barbosa - IGEO/UFBA, Dr. Basílio Elesbão da Cruz Filho - CPRM

Resumo: O Complexo Itapetinga localiza-se na Faixa de Dobramento Araçuaí, sul do estado Bahia, na zona limítrofe com o Cráton São Francisco, nas proximidades dos municípios de Potiraguá e Itarantim. É constituído por gnaisses, geralmente migmatizados, de composição sieno-granítica, monzo-granítica e álcali-feldspato granítica, que compõem o embasamento arqueano-paleoproterozóico da Província Alcalina do Sul do Estado da Bahia (PASEBA). A partir dos estudos petrográficos as rochas foram classificadas em rochas do Complexo Itapetinga em cinco litotipos: hornblenda biotita gnaisse, biotita gnaisse, moscovita gnaisse, granito gnáissico e mármore calcítico. As rochas gnáissicas do Complexo Itapetinga exibem estruturação em bandas, textura granoblástica e são constituídos essencialmente por microclina, quartzo e oligoclásio. Os máficos dominantes são hornblenda, biotita e encontram-se associados aos minerais opacos, clorita e titanita. Moscovita, zircão, allanita e apatita ocorrem como acessórios. O moscovita gnaisse mostra granulação fina e é constituído predominantemente por moscovita e quartzo. O mármore calcítico exibe textura granoblástica grossa e contém grão subidioblásticos de calcita e quartzo xenoblástico. As análises químicas revelam que as rochas apresentam altos conteúdos de SiO2? (71-78%) e classificam-se como granitos predominantemente, peraluminoso. Os elementos traços caracterizam-se por elevados valores de Zr (9-150 ppm), Ba (13-998 ppm), Cr (3-143 ppm), La (10-642 ppm) e Ce (10 1156 ppm). Os dados litogeoquímicos apontam para um protólito ígneo de afinidades cálcio-alcalina alto K ou alcalina.

Palavras-Chave: Complexo Itapetinga, PASEBA, petrografia, geoquímica.