Petrografia e Análise Microestrutural da Zona de Alteração Hidrotermal na Sequência Metavulcanossedimentar Urandi: Metamorfismo, Evolução Tectônica e Implicações Metalogenéticas - Silvandira dos Santos Góes Pereira de Jesus (2011.2)

Banca: Profa. Dra. Simone Cerqueira Pereira Cruz - Orientadora - IGEO/UFBA, Profa. Dra. Ângela Beatriz de Menezes Leal - IGEO/UFBA, Geólogo Jofre de Oliveira Borges - CBPM

Resumo: A Sequência Metavulcanossedimentar Urandi-SMVU está localizada na zona de transição entre o Cráton do São Francisco e o Orógeno Araçuaí, abrangendo o município homônimo à sequência. Constitui-se uma sequência metavulcanossedimentar pouco estudada que possui vocação metalogenética para ferro e é composta por rochas metamáficas que se intercalam a rochas metapelíticas, formações ferríferas bandadas, quartzitos e rochas calcissilicáticas, todas estas milonitizadas e metamorfizadas no fáciesanfibolito. Essas rochas apresentam-se intrudidas por granitoides de idade Riaciano-orosiriana que constituem o granito Santa Isabel e o Batólito Monzo-Sienítico Guanambi-Urandi. A interação, provavelmente, com fluidos destes granitoides imprimiu a estas rochas uma alteração hidrotermal em graus diferenciados. Rochas metamáficas, metapelíticas, metagranitoides encontram-se desde preservadas até muito modificadas, constituindo os denominados hidrotermalitos. Associado a esta alteração desenvolve-se uma paragênese mineralógica sin-tectônica composta por microclina, plagioclásio e biotita; e sin a tardi-tectônica composta por quartzo, anfibólios metassomáticos, carbonato, turmalina, epidoto, mica branca, além de concentrações de hematita, magnetita, pirita e calcopirita. Os estudos petrográficos realizados, além de permitir a identificação desta paragênse mineral, possibilitou a classificação da mineralização da SMVU em dois tipos principais, quais sejam: a) a mineralização do tipo I, de gênese sedimentar, itabirítico, hematítico e com baixa intensidade de alteração hidrotermal, assinalada pela presença de raros grãos de microclina, plagioclásio, turmalina e apatita; b) a mineralização do tipo II, composto predominantemente por magnetita com associações subordinadas e tardias de hematita, pirita e calcopirita associada às rochas mais fortemente hidrotermalizadas. O conjunto de dados obtidos a partir dos estudos de campo, petrográficos, microestruturais e microquímicos, que ainda precisam ser aprofundados, permitiram elaborar um modelo genético preliminar para a área da SMVU. A análise e interpretação destes dados indicam grandes similaridades que enquadram esta sequência tanto na classificação dos depósitos do tipo Iron Oxide-Copper-Gold -IOCG, quanto nos depósitos associados à orogenia.

Palavras-chave: Bloco Gavião, Sequência Metavulcanossedimentar Urandi-SMVU, alteração hidrotermal.